“Eles (EUA) vieram nos salvar dos Taleban”, acreditam afegãos
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

“Eles (EUA) vieram nos salvar dos Taleban”, acreditam afegãos

adrianacarranca

11 Setembro 2011 | 12h32

Os dez anos desde o 11 de setembro até a morte do saudita Osama Bin Laden, em uma operação secreta americana no Paquistão no dia 1o de maio, deixaram 11.700 mortos no Afeganistão – ou quatro vezes mais do que nas Torres Gêmeas – e mais de 100 mil mortos no Iraque – ou 35 vezes o número de vítimas do WTC. Os afegãos, no entanto, não sabem o que foi o 11/9. Mais de 85% do país não tem luz – nem acesso a TV nem Internet nem nada. Mais de 80% não sabe ler.

Viajei duas vezes ao Afeganistão, em 2008 e 2011, nesta última fiquei por quase dois meses. Quando eu perguntava aos afegãos que me diziam não saber nada sobre os atentados contra os Estados Unidos, por que eles achavam que as tropas americanas estavam no país, eles respondiam: “Eles vieram nos salvar dos Taleban”.

Quando as forças de coalizão invadiram o Afeganistão, três semanas depois do 11 de Setembro, os afegãos achavam que os EUA transformariam o país em uma Manhattan da Ásia Central. Cinco milhões de refugiados da invasão soviética e do subsequente regime taleban voltaram para casa, no Afeganistão, no rastro da ofensiva estrangeira pós 11 de Setembro. Desses, 3 milhões já voltaram para os campos de refugiados do Paquistão e outros destinos, agora fugidos dos intensos bombardeios americanos na fronteira e da violência do Taleban, que voltou a dominar quase 80% do país. O presidente Hamid Karzai passou a ser chamado pelos afegãos de “o prefeito de Cabul”.


Veja a galeria de fotos das viagens ao Afeganistão, publicada hoje no portal do Estadão.

*

Chega até o fim de setembro nas livrarias o meu novo livro O Afeganistão Depois do Taleban, que traz onze histórias do 11 de setembro como vivenciado por eles. São vozes quase sempre negligenciadas, mas fundamentais no processo de compreensão dos atentados que mudaram o mundo para sempre.