As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O ouro olímpico é delas em Londres

Estadão Esportes

07 Agosto 2012 | 20h35

Nessa quarta e quinta-feira, quando acontecem a semi-final e a final do boxe feminino, a última barreira olímpica para as mulheres será quebrada. Londres será a primeira Olimpíada com atletas mulheres em todos os esportes, um marco histórico. Os homens dominaram os Jogos desde o início em 1896. Por muito tempo, a única forma das mulheres competirem era inscrever seus cavalos para as provas equestres.

A primeira Olimpíada a ter mulheres foi a de Paris, em 1900, mas apenas no tênis e golfe. Em 1912 elas foram aceitas na natação, mas nenhuma atleta americana participou, porque a América, curiosamente, não permitia que competissem de pernas de fora. Era a Arábia Saudita de hoje, que quase deixou de fora duas atletas por proibir que disputassem as provas com os cabelos descobertos – o Comitê Olímpico Internacional acabou cedendo e a judoca da equipe lutou com uma espécie de touca no lugar do hejab (véu islâmico). Em 1928, elas ingressaram no atletismo. Porém, como muitas não conseguiram terminar a prova dos 800 metros, o esporte foi considerado inadequado para a capacidade física feminina, e a modalidade só voltou a ter mulheres nos anos 1960. No tiro, só em 1984, e foram banidas da prova de levantamento de peso até os anos 2000.

O boxe feminino era a última barreira para elas, vencida este ano. Também pela vez, em Londres, todas as 205 delegações têm representantes mulheres. Depois de forte pressão da comunidade internacional, o Qatar, Brunei e a já citada Arábia Saudita permitiram sua participação. Na semana passada, quando a saudita Wojdan Ali Seraj Abdulrahim Shahrkhani estreou no tatame publiquei matéria dando os números: em 2012, dos 10,5 mil atletas, elas são 4.862 ou quase a metade. Também pela primeira vez na história, os dois líderes no ranking de medalhas olímpicas, EUA e China, têm mais mulheres do que homens em seus quadros, assim como em outras 29 delegações, segundo levantamento feito pelo Estado. Há menos de duas décadas, na Olimpíada de Atlanta, pelo menos 26 países não tinham mulheres em suas equipes. Em Londres, entre os países com maioria feminina, pelo menos três são predominantemente muçulmanos.

Leia mais: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,muculmanas-ganham-voz,910303,0.htm