Inflação oficial argentina perto do “ponto de explosão” de Cristina Kirchner
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Inflação oficial argentina perto do “ponto de explosão” de Cristina Kirchner

arielpalacios

24 Janeiro 2015 | 11h35

BlogCristinaKirchnerirritada

blog1dedo4BlogLetrasGuinnessextraLetraEm 2012, durante uma visita à Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, a presidente Cristina Kirchner desafiou os cálculos dos economistas independentes argentinos, que sustentavam que a inflação naquele ano ficaria entre os 24% e 26%%. “Se realmente a inflação fosse de 25%, o país explodiria!”. Naquele ano o governo – acusado de manipular os dados da inflação – afirmou que a alta havia sido de apenas 10,8%. Os economistas independentes retrucaram, afirmando que havia sido de 25,8%.

No entanto, dias atrás, o governo Kirchner anunciou dados que indicam que a inflação de 2014 aproximou-se dos perigosos valores que a presidente Cristina definiu há três anos como o “ponto de explosão”: 23,9%.

O anúncio foi realizado pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec), que indicou que a inflação de dezembro foi de 1%.


Mas, as principais consultorias econômicas do país, empresários, sindicalistas, universidades, ONGs e partidos da oposição, além do Fundo Monetário Internacional (FMI) acusam o governo da presidente Cristina Kirchner de manipular o índice de inflação desde janeiro de 2007, quando o Indec ficou sob férrea intervenção da Casa Rosada.

Segundo o “Índice-Congresso”, elaborado pelos deputados da oposição com os cálculos realizados pelas pricipais consultorias portenhas, a inflação de dezembro passado foi de 1,87%. A alta inflacionária de 2014, segundo estas estimativas, teria sido de 38,53%.

O índice oficial costuma ser de metade a um terço inferior ao calculado pelos economistas. Neste ano o cálculo dos economistas foi 14,6 pontos percentuais superior à estimativa oficial.

O índice oficial de 2014% é o mais elevado desde 2002, quando, em plena crise econômica, a inflação foi de 40,9%.

Os integrantes do governo Kirchner evitam referir-se à inflação nos discursos. O chefe do gabinete de ministros, Jorge Capitanich prefere citar a expressão “tensão de preços”.

Segundo o governo Kirchner, os cálculos dos economistas que indicam uma inflação mais elevada que a oficial são “conspirações” contra a presidente Cristina.

Embora negue a existência da escalada inflacionária, nos últimos dois anos o governo implementou – sem sucesso – em quatro ocasiões congelamentos de preços de produtos de supermercados, de lojas de eletrodomésticos e combustíveis.

BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

No mesmo ano recebeu o Prêmio Comunique-se de melhor correspondente brasileiro de mídia impressa no exterior.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoInter, o Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).