Um americano em Cuba

Um americano em Cuba

Cristiano Dias

18 Fevereiro 2016 | 16h02

Coolidge: tensão em Havana

Calvin Coolidge: presidente americano de 1923 a 1929

Calvin Coolidge fez fama como um político que falava pouco. Era conhecido como Silent Cal. Sempre foi um obscuro presidente dos Estados Unidos. E continua sendo. No entanto, ele saiu das sombras desde que Barack Obama anunciou sua viagem a Cuba. Até hoje, Coolidge é o primeiro e único ocupante da Casa Branca a visitar a ilha. Foi em janeiro de 1928, quando Benito Mussolini governava a Itália e Leon Trotski estava exilado no Casaquistão. 

A missão de Coolidge era participar da VI Conferência Pan-Americana, em Havana. A entediante viagem de 32 horas de Washington até a Flórida foi feita a bordo do trem presidencial — espécie de Air Force One dos anos 20. Em Key West, o presidente embarcou no encouraçado USS Texas e passou a noite no mar, amanhecendo na capital cubana. A recepção foi calorosa, mas a delegação americana estava tensa. E com razão.

Desde 1920, os Estados Unidos viviam sob a Lei Seca. Por isso, a grande dúvida da imprensa era saber se Silent Cal daria ou não uma bicadinha nos daiquiris oferecidos no jantar pelo presidente cubano Gerardo Machado. Segundo Beverly Smith Jr., repórter do Saturday Evening Post, o nervosismo atingiu o auge quando o garçom chegou com os coquetéis.


“Assim que a bandeja se aproximou, pela esquerda, Calvin virou-se para a direita, como um artista, como se admirasse o retrato da parede”, escreveu Smith. Ainda segundo o repórter, ao sentir a passagem do garçom, Coolidge deu outro giro de 90 graus, novamente para a direita, cutucou Machado e fez um comentário sobre a beleza da vegetação tropical. Quando completou a volta de 360 ​​graus, a bandeja incriminadora havia passado com segurança. Para Smith, a manobra foi uma obra-prima de ação evasiva que salvou a carreira política do presidente americano.

Em Havana, Silent Cal e a primeira-dama dos EUA, Grace Coolidge, ao lado de Gerardo Machado e sua mulher, Elvira (AP)

Havana, janeiro de 1928: Silent Cal e a primeira-dama dos EUA, Grace Coolidge, ao lado de Gerardo Machado e sua mulher, Elvira (AP)

Mais conteúdo sobre:

Calvin CoolidgeCubaEstados Unidos