Apesar das críticas, Trump defende nomes escolhidos para futuro gabinete

Apesar das críticas, Trump defende nomes escolhidos para futuro gabinete

Presidente eleito escolheu figura ligada ao setor de petróleo para comandar a Agência de Proteção Ambiental, e empresário contrário ao aumento do salário mínimo para Secretaria do Trabalho

Redação Internacional

09 Dezembro 2016 | 09h41

WASHINGTON – O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, defendeu na quinta-feira a composição de sua futura equipe de governo, depois de anunciar dois conservadores para as pastas do Meio Ambiente e Trabalho, criticados por ecologistas e sindicatos. “Acredito que estamos no processo de reunir um dos maiores gabinetes já formados na história da nossa nação”, disse ele em um comício em Des Moines, Iowa.

Trump nomeou na quinta-feira um nome ligado ao setor do petróleo para comandar a Agência de Proteção Ambiental (EPA) e um empresário contrário ao aumento do salário mínimo para a Secretaria do Trabalho, configurando um gabinete polêmico que tem a aprovação de menos da metade dos americanos.

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump (Foto: AFP PHOTO / TIMOTHY A. CLARY)

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump (Foto: AFP PHOTO / TIMOTHY A. CLARY)

O republicano, que retomou uma viagem pelos estados que o ajudaram a chegar à Casa Branca, escolheu Scott Pruitt, um republicano de 48 anos, para a EPA e Andy Puzder, de 66 anos, como secretário do Trabalho. O Senado, controlado pelos republicanos, deve confirmar as nomeações.

“Para preencher meu gabinete, estou buscando pessoas que entendem plenamente o significado de servir e que estejam comprometidas com o avanço do bem comum”, disse Trump, ao defender a designação de uma série de magnatas. Ele disse que os nomeados renunciaram a suas fortunas “para receber um dólar por ano” de salário, antes de chamar os escolhidos de “pessoas talentosas, pessoas inteligentes”.

Milionário e à frente da rede de fast food CKE, Andrew Puzder acredita que o aumento do salário mínimo provoca perdas de empregos menos qualificados e apoia o fim da reforma da saúde do presidente atual, Barack Obama. “Puzder demonstrou que não apoia os trabalhadores”, afirmou a presidente da União Internacional de Trabalhadores de Serviço, Mary Kay Henry, de acordo com a conta do sindicato americano no Twitter.

No lado ambiental, Pruitt dedicou grande parte de seu tempo a combater as regulamentações da EPA que pretendem reduzir as emissões de gases do efeito estufa nas centrais elétricas. Em sua própria biografia ele se destaca como “líder na defesa contra o ativismo da EPA”.

Trump denunciou que “por muito tempo a agência gastou o dinheiro dos contribuintes em políticas anti-energéticas que estão fora de controle e que destruíram milhões de empregos, enquanto afeta nossas granjas, negócios e indústrias”. De acordo com Trump, Pruitt “vai reverter essa tendência e restaurar a missão essencial da Agência, que é manter o ar e a água limpos e seguros”. O anúncio permite antecipar uma batalha frontal contra os ambientalistas. / AFP