Hillary diz que vitória é conquista feminina

Hillary diz que vitória é conquista feminina

Democrata vence prévias e será a 1ª mulher candidata presidencial por um grande partido

Cláudia Trevisan

08 Junho 2016 | 12h33

WASHINGTON – Primeira mulher a conquistar a candidatura de um grande partido à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton declarou vitória na terça-feira na disputa com o senador Bernie Sanders e apresentou a conquista como um marco histórico na longa caminhada em busca de oportunidades iguais entre os sexos.

“Para todas as pequenas meninas que têm grandes sonhos: sim, você pode ser o que quiser, até mesmo presidente”, declarou a candidata em sua conta no Twitter, ao lado de uma foto na qual aparece ao lado de uma garota negra. “Nós podemos dizer com orgulho que, na América, não há barreira ou teto que não podem ser quebrados”, disse em outro post.

Hillary celebrou o caráter histórico de sua vitória em discurso no fim da noite de ontem, no qual o principal alvo foi seu provável adversário na disputa pela Casa Branca, o bilionário Donald Trump. “Essa eleição não é sobre velhas disputas entre democratas e republicanos. É sobre o que somos como nação”, declarou a candidata, depois de afirmar que “pontes são melhores do que muros”.


Criticada por seu estilo pouco espontâneo, a candidata adotou um tom pessoal a falar da mãe, Dorothy Emma Howell, que teve uma infância turbulenta. “Ela nunca foi intimidada por brutamontes”, afirmou Hillary, em uma referência indireta a Trump. “Gostaria que minha mãe estivesse aqui hoje, para ver sua filha ser nomeada candidata à presidência pelo Partido Democrata.”

Vídeo divulgado por sua campanha começava com uma referência ao movimento pelo voto das mulheres no século 19, celebrava as feministas da década de 60 e lembrava a Conferência Mundial sobre as Mulheres, realizada em Pequim, em 1995, da qual Hillary participou como primeira-dama dos EUA. O vídeo trazia a voz da candidata dizendo a frase que se tornou símbolo do encontro na China: “Direitos humanos são direitos das mulheres e direitos das mulheres são direitos humanos, de uma vez por todas”.

Levantamento da Associated Press, na segunda-feira, com os superdelegados, indicou que Hillary havia conquistado o número de votos necessários para garantir sua nomeação pelo Partido Democrata. Ontem, a candidata ganhou as primárias de New Jersey e Novo México. No início da madrugada, continuava a apuração na Califórnia, o mais populoso Estado do país.

Primárias na Califórnia

“Este é um dos mais importantes momentos da história política contemporânea dos EUA”, disse ao Estado Jennifer Lawless, professora da Escola de Governo da American University, que estuda a participação feminina na política americana.

Lawless observou que há dois grandes tetos de vidro para mulheres na vida pública dos EUA: a candidatura à presidência por um grande partido e a eleição para a Casa Branca. Com a conquista dos delegados, Hillary superou o primeiro. Agora, ela terá de convencer os eleitores de que é a melhor opção para comandar a maior economia e o maior arsenal do planeta.

No seu caminho, está Trump. Em discurso na noite de ontem, o bilionário atacou a candidata e a acusou de transformar o Departamento de Estado em um “fundo hedge” para obtenção de benefícios pessoais. Trump mencionou de maneira específica doações feitas por russos, chineses e sauditas para a Fundação Clinton durante o período em que ela comandava a diplomacia americana.

A grande dúvida na campanha agora é qual será o próximo passo de Bernie Sanders, que declarou a intenção de levar a disputa com Hillary até a convenção do Partido Democrata, em julho. A expectativa na campanha da ex-secretária de Estado é que ele reconheça a derrota nos próximos dias e ajude a unificar a legenda contra Trump.

Única ex-primeira-dama dos EUA a se eleger ao Senado, Hillary também foi a primeira a tentar a candidatura de um grande partido para a Casa Branca, em 2008. “Ainda que não tenhamos quebrado o mais alto e resistente teto de vidro de nosso tempo, graças a vocês há 18 milhões de rachaduras nele”, disse Hillary no discurso em que há oito anos reconheceu a derrota para o atual presidente, Barack Obama, fazendo referência ao número de votos que obteve.

“Na comparação com outros países, os EUA têm uma performance decepcionante em relação à presença feminina na política”, disse Lawless. O país ocupa a 95.º posição mundial no número de parlamentares do sexo feminino – 80% dos congressistas americanos são homens. Além disso, nunca elegeu uma mulher presidente nem teve, até agora, uma campanha em que uma candidata tivesse chances reais de chegar à Casa Branca.

Leia mais:

Frases: o que disseram os pré-candidatos após as primárias nos EUA

Obama parabeniza Hillary por vitória e elogia vigor de Sanders durante campanha

Com ataques, Hillary e Trump iniciam nova fase da campanha nos EUA