Trump faz comício de agradecimento e promete fechar fronteiras dos EUA a imigrantes do Oriente Médio

Trump faz comício de agradecimento e promete fechar fronteiras dos EUA a imigrantes do Oriente Médio

Presidente americano eleito garantiu o retorno de empregos em fábricas para trabalhadores americanos, e afirmou que ameaças contra a população do país são criadas por políticos ‘muito estúpidos’

Redação Internacional

02 Dezembro 2016 | 11h19

CINCINNATI, EUA – O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, iniciou uma “turnê de agradecimentos” pós-eleição na quinta-feira e se manifestou contra a globalização, prometendo o retorno de empregos em fábricas para trabalhadores americanos e o fechamento das fronteiras do país para determinados imigrantes do Oriente Médio.

Falando para arena praticamente lotada, Trump agitou a multidão ao atacar repetidamente a mídia “extremamente desonesta” e invocando a mensagem populista que resultou em milhões de eleitores.

Presidente americano eleito, Donald Trump, faz

Presidente americano eleito, Donald Trump, faz “turnê de agradecimentos” pós-eleição (FOTO: Ty Wright/Getty Images/AFP)

“Não há hino global, não há moeda global, não há certificado de cidadania global. Juramos lealdade à uma bandeira e esta bandeira é a bandeira dos EUA”, disse Trump. “A partir de agora será primeiro os EUA, ok?”, disse o republicano, à medida que destacava a criação de empregos a partir de acordos comerciais, os quais planeja renegociar.

Citando um ataque no campus da Universidade do Estado de Ohio anteriormente nesta semana por um imigrante da Somália, Trump disse que tais ameaças contra americanos são criadas por “políticos muito, muito estúpidos e programas de refugiados”.

Para proteger os EUA de novos ataques, Trump disse que irá suspender imigração “de regiões onde (pessoas) não podem ser checadas de forma segura”, incluindo alguns países do Oriente Médio.

“Pessoas estão chegando de regiões do Oriente Médio. Não temos ideia de quem são, de onde vem, o que estão pensando e vamos acabar com as mortes”, disse Trump. Durante sua campanha, Trump disse que iria banir a entrada de todos os muçulmanos nos EUA. / REUTERS