Europa League: Borussia Dortmund X FC Liverpool e o retorno de Juergen Klopp

Fátima Lacerda

07 Abril 2016 | 12h34

Nem mesmo a zebra futebolística da noite de quarta-feira (06) com vitória de 2 X 0 do Vfl Wolfsburg sobre o Real Madrid, pela Champions League, e, na sequência, viralizar nas redes sociais sobre a reação do CR7 ao jogo, deixou de lado o foco midiático no jogo do ano, no jogo dos jogos: BVB X Liverpool

Por uma vaga nas quartas de final da Europa League, o Borussia Dortmund, atualmente segundo na tabela da Bundesliga, enfrenta o tradicional, o Liverpool, os Reds. Esse jogo já seria interessante pela similaridade entre os dois clubes, e sim, elas existem! A emoção e o amor incondicional marca a tradição centenária do Liverpool, fundado em 1892. Não foi a toa que depois de 7 anos atuante no Borussia, que Juergen Kloop assinou contrato com o atual número 9 da tabela da Premiere League. Já o Borussia encorpora, como nenhum outro clube (e muito menos o clube de Gelsenkirchen) a mentalidade da região de Ruhrgebiet, tradicional produtora de carvão e polo de imigração de países eslavos e do sul da Europa. Ser Borussia é muito mais do que torcer por um time: é ter cravado no peito toda uma filosofia do que é o futebol, do que é ser torcedor pertencente à esta região. Confesso que, recentemente, em Berlim no Festival 11mm, com filmes sobre futebol, deparei com o torcedor da biografia mais inusitada que já conheci: A criatura trabalha na Volskwagen, mora em Dortmund e ao invés de torcer pelo Wolfsburg é torcedor do azul-e-branco de Gelsenkirchen!*. Depois de me certificar várias vezes com ele sobre a veracidade do seu depoimento, eu demorei 3 dias pra digerir essa situação, tal era o grau de consternação em que fiquei.

A euforia da imprensa

A imprensa europeia não para de noticiar tudo, todos os mínimos detalhes sobre o jogo. Desde a quarta-feira (06) quando o avião com os Reds pousou no aeroporto de Dormund, o #hasttag #echteliebe (amor verdadeiro) e #BVB estão nas lista trending topics no Twitter. Fotos e imagens de Klopp saindo do avião, Klopp chegando no hotel, até mesmo foto com a placa na frente do vestiário com a escrita: “Juergen Klopp – Dressing Room”, foi compartilhada. Um tuíte mostra a inusitada foto de um jardim, em algum lugar de Dortmund, com as bandeira dos dois times hasteada. É o amor por aquele ídolo que fez do time Dortmund, uma marca internacional e um time presente no olimpo do futebol europeu na reta final da Liga dos Campeões. Vale lembrar a final de 2013 no Estádio Wembley, teve a primeira final entre dois times alemães na história do torneio: FC Bayern X BVB 09.  Real Madrid, Barcelona, Atlético? Que nada! Guiado por Klopp, o futebol alemão teve seu Derby histórico e o garoto nascido na Floresta Negra ganhava o mundo. Agora todos os analistas políticos se mostram convictos de que Liverpool não será o ápice da carreira do queridinho da mídia, Juergen Klopp (47) Todos nós concordamos, angariando o título da PL com o Liverpool nos próximos 3 anos ou nao, está na cara que Klopp ousará voos mais altos. Para um Borusse dee verdade, e Klopp será sempre um deles, só o céu é o limite. 

Muitos usuários reclamam do cult em torno da pessoa daquele que nasceu na cidade de Glatten, na Floresta Negra, onde, como declarou, teve uma infância feliz. Com 23 anos iniciou a carreira de jogador de futebol profissional no Mainz05.

No filme “Coming Home” (voltando pra casa) especialmente vinculado no início da semana em TV aberta, é abordado a volta de Klopp “pra casa”, para o estádio Siguna Park (Ex-Estádio Westfallen) do Dortmund. Os diretores Heindrick Deichmann e Lothar Schroeder foram visitar a casa onde Klopp nasceu. A mãe e a tia contam histórias da época de criança e já afirmam que seu primeiro gol foi na sala de estar. “A Senhora não se importava?”, perguntou o jornalista instigado: “Não!, disse ela com a maior naturalidade e sem qualquer tentativa de esconder o orgulho de ter “feito a coisa certa” em deixar o filho se realizar.

Mainz 05

Estava escrito nas estrelas que a carreira de jogador de Klopp seria curta e sem grandes conquistas.

Foi no time Mainz 05 (perto de Frankfurt) que ele jogou 11 anos, na época, na segunda divisão. Paralelamente, fez faculdade de educação física e o destino como treinador já esboçava no firmamento. Um certo dia, Christian Heidel, empresário do clube, decidiu despedir o então treinador. “Eu notei que a nossa tática era melhor do que a dos treinadores que tínhamos. Depois que tivemos duas decepções consecutivas, eu pensei. A equipe vai se autotreinar. Na época a gente estava na rebarba da tabela, os patrocinadores estavam sumindo, a imprensa nos trucidava. Era mesmo a ideia. Agora nós contra todos”, disse Christian em alto tom de pragmatismo falando sobre a ideia mais inusitada que a Bundesliga já viu. E é ai que Klopp entrou na parada. Como ele era capitão do time e gozava de grande respeito pelos colegas e como o Deus do futebol nada faz por acaso, na época ele estava sem jogar devido a uma lesão. Foi o ingrediente perfeito para a ocasião. Além disso, Klopp foi eleito por unanimidade para ser o “condutor” do time. De “condutor” virou o treinador do qual objetivo era levar o Mainz 05 para a primeira divisão. A estrada foi dura. Duas vezes o Mainz perdeu, ou por um gol de diferença ou por depender de resultados de adversários. Somente em 2004, um jogo dramático no último dia do campeonato, na partida contra o Eintracht Trier, com o Mainz05 no placar final de 3 X 0 que Klopp realizou o sonho da torcida. Antes de fazer história no Borussia, ele já tinha feito história no clube na cidade vizinha de Frankfurt.

Fechando um círculo

Quase exatamente um ano depois de ter deixado o Borussia, Klopp volta ao estádio com a torcida mais acalorada que a Alemanha tem pra oferecer na primeira divisão. Do outro lado do campo, estará o atual treinador do Borussia, Thomas Tuchel, no qual quase ninguém levou fé, no início de sua trajetória no BVB. Nom programa de futebol na TV fechada das manhãs de domingo, o Doppelpass, um comentarista expressou o ceticismo que acometia também a torcida: “Eu achei que ele não aguentaria 90 minutos na beirada do campo, de to magro que ele é”. Outra metade da torcida tinha receio de que Tuchel fosse mais um professor de educação física, querendo melhorar a equipe a cada dia. Nos enganamos todos! Tuchel, além de ter 100% de respaldo do time, entendeu imediatamente a mentalidade do Borussia, transformou a equipe naquela que mostra o futebol mais atrativo da Bundesliga. Até mesmo o chato do Pep Guardiola, do time vermelho e branco, não poupa elogios ao Borussia. Karl-Heinz Rummenigge, o presidente do clube bávaro e membro da seleção de 1974, fez um elogio ainda maior a Tuchel: “Ninguém havia estabelecido o time de forma não imutável e estável no segundo lugar da tabela, como o Tuchel”.

De contra-ataque rápido e acirrada pressão como fazia Klopp, Tuchel optou por um jogo menos apressado, porém com mais posse de bola. Uma estatística da revista Kicker, a revista esportiva mais respeitada da Alemanha, comparou a tática dos dois treinadores.

Durante a era Klopp, foram 50% de posse de bola. Na era Tuchel, o percentual aumentou para 63%. Ao invés do ataque assalto, que frequentemente resulta na perda de bola, Tuchel prefere passes mais exatos, o circular da bola do próprio campo e assim, o controle do jogo. Ainda segundo a Kicker a equipe sobre o comando de Tuchel corre, em média, 6 km a menos por jogo, porém contabiliza 4% a mais na disputa de bola entre dois jogadores.

O encontro Klopp & Tuchel

Juergen, ex-Mainz 05 e ex-Borussia vai encontrar Thomas, ex- Mainz e atual do Borrusia. Uma situação mais de eletricidade futebolística, impossível.

Instigando ainda mais o clima de duelo, perguntado como Klopp se comportará na beira do campo, Tuchel, através do tuíte oficial do Borussia publicou: “Desde o primeiro minuto do jogo, Klopp terá somente a vitória na mente. Nós também“.

Nas redes sociais, usuários especulavam sobre “se Klopp estaria contente em voltar a Dortmund”. Não aguentando algo tão pueril, não hesitei em retrucar: “Como ele não estaria feliz, se ele passou os melhores anos de sua vida no clube que se chama BVB09?!”. O resultado: inúmeros likes e retuítes dessa minha exímia sabedoria futebolística. Os alemães tem, de praxe, a síndrome do copo vazio, mas tudo tem um limite! Klopp e Dortmund + BVB09, é amor verdadeiro, como anuncia o #hashtag: #echteliebe

Independentemente do resultado no final do jogo entre 2 dos mais atrativos times de futebol do momento, será, acima de tudo, uma grande festa futebolística. E hoje (07) é só a primeira parte. Na semana que vem, tem a segunda parte do banquete futebolístico com os Reds jogando em casa, em Liverpool. A febre e o cult em torno de Klopp também traz um efeito financeiro positivo: , Provavelmente nunca os torcedores alemães tiveram tão ligados nos jogos da Premiere League. As TVs de assinatura como a Sky News e a Sport1 são só alegria, com o aumento considerável de assinantes que nao perdem um jogo de Klopp „na ilha“.

Na noite de quinta-feira (07), os bares, especialmente os de torcedores do Borussia, estarão arrebatados de fãs, que, aliás, juntam a maior comunidade de fãs de um time da Bundesliga no mundo,ainda com um número maior de identificação do que o time vermelho-e-branco de Munique, afirma uma pesquisa da Federação Alemã de Futebol (DFB, na sigla em alemão).

Se referindo à sua volta a Dortmund, como seria recebido e tentando botar panos quentes na mídia eletrizada, mas também tentand evitar constrangimento de um lado e do outro da torcida como também para seu colega, Thomas Tuchel, atual técnico do BVB, Klopp declarou: “Nós (do Borussia) nao precisamos expressar a forma do que significamos um para o outro. A gente sabe”. Esse e o Klopp que a torcida conhece, venera, respeita e ela vai mostrar isso muito claramente. Ah, vai!!


Links relacionados:

http://www.bvb.de/

http://www.liverpoolfc.com/

*(Para os que não sabem, quem é torcedor do Dortmund não pronuncia, digo, ignora o time azul-e-branco de Gelsenkirchen).