Federação Alemã de Futebol encena o fim do Conto de Fadas de verão da Copa de 2006??

Fátima Lacerda

26 Outubro 2015 | 18h53

Dia 16 de outubro, ratificando que o jornalismo investigativo na Alemanha vai muito bem obrigado e continua sendo um instrumento temido por quem tem “o porão cheio de cadáveres”, como prescreve um ditado popular das terras daqui, a revista DER SPIEGEL divulgou fundida pesquisa sobre “irregularidades” no contexto da Copa de 2006 na Alemanha. Em outro artigo, em breve, delinearei os detalhes técnicos e matemáticos. Esse artigo, porém, tem o principal o foco no papel deplorável que está fazendo a Federação Alemã de Futebol (DFB) na pessoa do atual presidente, Wolfgang Niersbach (64).

BeckenbauerNiersbachjpg1.jpg©Pictura Alliance/DPA

Coletiva de Imprensa como na Républica das Bananas

Na manhã de quinta-feira (22), jornalistas ávidos por esclarecimentos sobre o escândalo que promete acabar com o mito do Sommermärchen, o Conto de Fadas do verão de 2006, como foi apelidada a Copa pela mídia. Naquela sempre presente dialética do copo vazio, a pergunta do momento é se o escândalo, que a cada dia fica mais cabeludo e abrange um círculo ainda maior de pessoas envolvidas, irá estragar a memória do sonho futebolístico dos últimos anos. Vale lembrar que foi também esse nome dado ao filme realizado pelo diretor Söhke Wortmann, quando a acompanhou-a desde quando o ex-técnico Jürgen Klingsmann deixava sua casa em plena praia de Malibu na California, para o “desafio de sua vida”. Mas, de novo, o foco desse artigo é o total despreparo de Niersbach e de sua equipe em convocar uma coletiva quando não se tem nada de novo a dizer. Não é preciso o domínio da linguá alemã para constatar o total desespero do presidente frente aos jornalistas: “Eu não me lembro”, “Eu não tenho conhecimento disso”. “Eu também gostaria de saber”, para citar algumas das frases indignas para o cargo que ocupa. Nos noticiários do mesmo dia, a mídia inteira se mostrava consternada com uma coletiva que suscitou mais perguntas do que respostas.

Veja abaixo, os “melhores momentos” editados:

https://www.youtube.com/watch?v=SzpN5cB2OWw

No esporte corrupto como é o futebol, a DFB constava como um oásis num antro de corrupção e tentativas de sonegação de impostos. Seu engajamento pela Bundesliga, seu suporte financeiro para a criação de times de futebol de meninas no Afeganistão, sua contribuição sustentável para a população do povoado de Santo André, na Bahia, onde a seleção alemã ficou concentrada durante a Copa do Brasil, tudo isso contribuía para uma excelente reputação da entidade e servia de indispensável alicerce em duras negociações concernentes à vantagens para a Liga e a mediação entre os clubes e emissoras detentes dos direitos de exibição dos jogos.

Como se não bastasse a declaração absurda de Niersbach, alegando que só ficou sabendo do pagamento dos 6,7 milhões de Euros da DFB para a FIFA via um empréstimo concedido pela ADIDAS, no verão passado, ele também não soube responder porque, desde então, não comunicou internamente a todos da organização que dirige e por que não criou uma comissão para investigar. Entre um balbuciar e outro, juntado às olheiras maiores do que as da Amanda, ex-BBB, Niersbach, em pouco mais de uma hora, demoliu a imagem da DFB ao mesmo tempo que exibiu quanta cloaca tem nessa história.

Rainer Franzke, redator-chefe da revista KICKER, a revista de futebol mais importante da Alemanha, fez críticas severas ao presidente em artigo publicado hoje (26). “Não importa qual o final desse escândalo e se Niersbach continuará na chefia da DFB. Ela terá que se reinventar, reorganizar. Com estrutura profissional na política corporativa e, como já se vê em partes, pessoas de enorme capacidade ocupando cargos de confiança. A DFB se mostrou ter estruturas de uma República das Bananas”.

Analistas esportivos defendem a tese de que Niersbach seria um excelente tecedor de coxia, porém um frontman totalmente incapaz e a coletiva de imprensa ratificou isso. O fato do Secretário Geral da DFB, Helmut Sandrock e o seu vice, Stefan Hans, dois mais importantes funcionários de Niersbach não terem até agora se posicionado em solidariedade com o presidente, pode ser interpretado que o engodo está fedendo há mais tempo do que Niersbach ousa confessar.

150ccccc291wundervonBern1.jpg©DFB

Museu do Futebol – Inauguração degradada a segundo plano

O museu inaugurado na última sexta-feira (23), no meio de um terremoto futebolístico-midiático, acabou sendo delegado à uma pequena notícia pela mídia que está agora enlouquecida atrás dos culpados envolvendo corrupção e possível tentativa de sonegação de impostos.

Enquanto no Brasil, a cidade escolhida para abrigar o museu do futebol foi a capital paulista, que esbanja tradição futebolística, na Alemanha, foi a cidade de Dortmund escolhida para ser a sede do museu do futebol e ela não poderia ser outra. As glórias, as taças da seleção alemã estão expostas ali. A camisa dos jogadores também. A mais bonita delas é, com certeza, a usada durante o “Milagre de Berna”, em 1954. A camisa usada pela seleção alemã naquele fatídico jogo contra a seleção de Löw,tinha as cores vermelho e preto. Precisa explicar?

O treinador da seleção, Joachim Löw, como sempre super elegante desfilando pelo tapete vermelho quando prestigiava a inauguração, declarou à imprensa que, no contexto da Copa de 2006, ele acredita que tudo foi feito direitinho e mostrou que ainda tem gente que acredita em Papai Noel, que nesse caso foi exercido pelo ex-chefe da ADIDAS, o já falecido Robert Louis-Dreyfus. Devido ao escândalo, Beckenbauer e o memorável (massa bruta) Uwe Seeler ficaram longe da cerimônia de inauguração.

O ex-jornalista Waltmar Hartmann, um cara que consegue ainda ser mais chato do que o Galvão Bueno, e além disso, não tem nada de engraçado e que os amantes de futebol tiveram que aturar durante muitos anos antes do bávaro se aposentar e que não acredita em Papai Noel foi perguntado pelos jornalistas sobre o que acha do escândalo envolvendo a Copa da Copas: “Eu já sabia disso (dos detalhes) desde o início. Por que vocês acham que nós conseguimos sediar a Copa? Por que as pessoas nos acham bonitinhos, simpáticos? Imagina! Nada disso! A Federação (DFB) conseguiu sediar a Copa da mesma forma que outros países conseguiram..” disse ele sorridente, podendo tirar uma onda de holofotes interessados em suas opinioes, depois de 4 anos fora da telinha.

A Copa de 2006 foi aquela que a Alemanha pode renovar a sua imagem pelo mundo, a imagem de um país aberto, de pessoas festeiras e mulheres marcando presença nas partidas de futebol. Isso ficará na retina de todos nós. Assim também como a fenomenal vaia recebida por Sepp Blatter na cerimônia de abertura no Estadio Olímpico de Munique. Todo o resto, desde que o estava escrito no bilhete entregue ao goleiro Jens Lehmann antes da cobrança de pênaltis contra a Argentina (bilhete do qual ele reclamou porque estava escrito a lápis), as imagens de Gerald Asamoah sendo o DJ da equipe, o discurso acalorado de Klinsmann na cabine antes do jogo contra a Argentina e a frase “A gente tem uma fatura em aberto e essa fatura vai ser liquidada hoje!”

Spiegelcover300.jpg Capa da revista Der Spiegel desta semana: “O Caso DFB”

Resultados da pesquisa feita pelo Instituto britânico de Pesquisa YouGov, atesta que 60% dos alemães, são da opinião que Beckenbauer estava envolvido na manipulação do dinheiro emprestado pela ADIDAS. Em declaração hoje na mídia, ele,na época chefe do Comitê de Organização da Copa (OK, na sigla em alemão), confessou que “cometeu um erro” e alegou que não deveria ter aceitado a exigência da FIFA e declara “assumir a responsabilidade”, agora, 9 anos depois.

Já Sepp Blatter, atualmente suspenso de suas atividades de Patron e que não frequenta nem mais seus “locais de confiança” em Zurique, declarou logo depois da acusação de caixa preta feita pelo ex-presidente da DFB, Theo Zwanziger, que “não é de procedimento da FIFA exigir qualquer garantia em dinheiro para possibilitar um suporte financeiro maior. Moral da história, por enquanto: Ninguém sabe onde foi parar os 6,7 milhões emprestados pela ADIDAS e depositados na conta da FIFA. Foram encaminhadas a o ex-candidato à presidência da FIFA, Mohammed bin Hamman para “comprar votos” na Ásia? Foram retornados à FIFA com falsa justificativa de “Programa cultural” ? E pra que foi usado esse dinheiro realmente? Quem sabia do que e quando? O escândalo já chegou no âmbito do governo. Em matéria publicada hoje, o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung divulgou que a chefe da Comissão de Esportes do governo alemão, a socialdemocrata, Dagmar Freitag, agendou para, sexta-feira, 06 de novembro o depoimento do presidente da DFB, que segundo o jornal, já teria sido oficialmente convidado a depor. Ele não é obrigado a comparecer, porém sua ausência seria mais um tiro no pé e mais um atestado de despreparo.

FranzDPA.jpg©DPA

Sommermärchen…Continua valendo!

Mesmo o próprio Kaiser Beckenbauer, figura austera e até agora acima do bem e do mal, caindo na desgraceira do escândalo, o Conto de Fadas (Das Sommermärchen) futebolístico está e ficará na retina de quem ali esteve em presença física. Foram e continuam sendo momentos teimosamente fincados na retina. O maior de todos foi eternizado pelo diretor do filme “Sommermärchen”, nke Wortmann: a viagem de ônibus pelas ruas de Berlim em direção ao Estádio Olímpico para enfrentar a equipe Argentina e um país inteiro se mostrando, excepcionalmente, por algumas semanas, só emoção.

Links relacionados:

https://www.youtube.com/watch?v=a0xOwUwKfxU

https://www.youtube.com/watch?v=9k7S9lHYUQ8

https://www.fussballmuseum.de/

https://www.fussballmuseum.de/ausstellung/hall-of-fame/leitidee.htm