As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como um brasileiro pode se colocar no lugar de um refugiado sírio?

gustavochacra

30 Outubro 2015 | 12h05

Imagine que, ao se formar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco da Universidade de São Paulo com o sonho de ser juiz, você fosse convocado para ir para o Exército para lutar em uma guerra civil a favor de um regime, ficando estacionado em uma frente de batalha em Tocantins contra extremistas religiosos.

Imagine, por outro lado, que você trabalhe em uma fazenda em Tocantins e precisa aceitar lutar ao lado destas milícias extremistas religiosas contra o regime pois, caso contrário, irão te decapitar, estuprar a sua mulher e fazer uma lavagem cerebral nos seus filhos.

Imagine que você tenha a opção de tentar uma vida nova na Alemanha e na Suécia, com status de refugiado, ainda que isso implique em uma difícil travessia, cruzando mares e fronteiras hostis (imagine, claro, que Brasil fique no Mediterrâneo).

Sendo muito honesto, você iria em busca de uma vida melhor, apesar das dificuldades, ou permaneceria no país? Apenas para frisar, sírios podem adiar o momento de servir no Exército caso estejam na faculdade. Mas, depois de formados, tem de ir para a guerra. E milhões de brasileiros, mesmo sem viver em uma guerra civil, buscam uma vida melhor no exterior – eu, inclusive.

Obs. Curiosamente, muitos imigrantes sírios (não libaneses) que imigraram na Primeira Guerra fugiram justamente porque não queriam lutar em defesa dos otomanos. Não é algo novo.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. E comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram