As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Controlando toda a Síria, Assad engana e ganha tempo ao aceitar plano de Annan

gustavochacra

27 Março 2012 | 11h19

O regime de Bashar al Assad disse que aceita cooperar com o plano de Annan para a resolução da crise síria. Isso não significa que o líder sírio irá cooperar. Na verdade, apenas usa táticas tradicionais de teoria dos jogos. No fim, assim como aconteceu com o plano da Liga Árabe, culpará a oposição pelo fracasso. A Rússia concordará e voltaremos para a estaca zero.

Pense com a cabeça de Assad, que não é a de um líder democrático, mas de um regime ditatorial baseado em cinco pilares – Partido Baath, que ao contrário do que dizem não é alauíta, mas laico nos moldes peronistas ou varguistas; nas minorias cristãs e alauítas; nas forças especiais do Exército, que são basicamente cristãs e alauítas; nas elites de Aleppo e Damasco, que são sunitas; e nas alianças externas com o Irã, Iraque, Rússia, Argélia, Venezuela, Líbano e algumas outras nações sem relevância.

Nenhum destes pilares corre risco no médio prazo. E, no longo, a maior possibilidade de ruptura seria com a Rússia e as elites de Damasco e Aleppo. Estes dois grupos, porém, estão dando tempo para Assad resolver a questão – leia-se acabar com a oposição. Aparentemente, o líder sírio teve sucesso por enquanto. Ele controla virtualmente todo o território sírio.

Em um ano de levantes, a maior gloria da oposição foi controlar o bairro de Bab Amr, em Homs. Depois de massacres e o que talvez sejam crimes contra a humanidade, segundo a ONU, as forças de Assad retomaram o controle da área. A ponto de o líder sírio visitar a cidade sem colete a prova de bolas

Apesar disso, acho que a comunidade internacional, com o Plano Annan, faz o correto se levar em conta as opcoes disponiveis. A expectativa é de que as sanções econômicas enfraqueçam Assad e seja encontrada uma solução como a do Yemen. Mas, óbvio, lá a guerra civil continua e o sul ameaça ficar independente mais uma vez.

A Síria seguirá por meses ou mesmo anos em uma guerra civil de baixa intensidade como agora independentemente de Assad permanecer ou não no poder no longo prazo.

Leiam ainda o blog Radar Global.
Acompanhem também a página do Inter do Estadão no
Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas
e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão
publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que
insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é
permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas
acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista
diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do
jornalista

O jornalista Gustavo Chacra,
correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em
Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações
Internacionais pela Universidade Columbia
. Já fez reportagens do
Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia,
Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no
Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras,
Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e
crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da
Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo,
empatado com o blogueiro Ariel Palacios