As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Israel e Hamas rumam para conflito inútil em Gaza

gustavochacra

15 Novembro 2012 | 12h45

Faz quatro anos que Israel lançou uma ampla operação na Faixa de Gaza para tentar conter o lançamento de foguetes do Hamas e outras organizações palestinas contra o sul do território israelense. Depois de três semanas de bombardeios e invasão terrestre, cerca de 1.300 palestinos e 13 israelenses morreram. Eu cobri este conflito para o Estadão.

Agora, o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, cogita levar adiante uma nova ofensiva para conter o lançamento de foguetes. Obviamente, é uma repetição do cenário da virada do ano de 2008 para 2009. O resultado tende a ser parecido, com o agravante de o Hamas ter alguns foguetes com capacidade de atingir Tel Aviv e aumentar as baixas israelenses.

Israel ainda precisará lidar com o apoio do governo do Egito ao Hamas. As fronteiras não ficarão fechadas. O aliado Hosni Mubarak foi derrubado do poder nos protestos da praça Tahrir e  a atual administração da Irmandade Muçulmana no Cairo não fechará a passagem de Rafah como fez o ditador há quatro anos.

Neste momento, os israelenses possuem problemas mais graves. Primeiro, a guerra civil na Síria. Bashar al Assad e seu pai Hafez mantiveram a segurança nas colinas do Golã por mais de 30 anos. Esta estabilidade acabou. O aliado rei Abdullah da Jordânia corre o risco de cair em protestos pró-democracia. O Sinai aos poucos se transforma em um oásis de militantes de organizações inspiradas pela Al Qaeda. O Hezbollah, no Líbano, ainda é a mais poderosa milícia do mundo. Para completar, há a questão iraniana.

Já o Hamas demonstra mais uma vez uma inabilidade total. Consegue, como sempre, deteriorar a imagem dos palestinos. Exatamente no mês em que o presidente Mahmoud Abbas, do Fatah, decide ir à ONU buscar o reconhecimento do Estado com o status de não-membro da organização em votação na Assembleia Geral, a organização responsável pelo controle de Gaza decide armar mais um conflito contra os israelenses.

A Cisjordânia, com todos os seus problemas, evoluiu bastante ao longo dos últimos quatro anos. Gaza regrediu na história. Se os palestinos quiserem ter um Estado, devem se inspirar em Ramallah, não em Gaza.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009 e comentarista do programa Globo News Em Pauta, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti, Furacão Sandy, Eleições Americanas e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios