As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não comparem Trump com Síria e Nicarágua no clima – é ainda pior

gustavochacra

01 Junho 2017 | 18h38

Donald Trump anunciou que os EUA sairão do Acordo de Paris sobre o clima em um dia triste para o futuro da humanidade. Sim, virão aqui alguns dizerem a bobagem de que “não existe aquecimento global”. Primeiro, segundo 99,99% dos cientistas, a NASA (vejam aqui) e governos de 193 países existe. Aliás, até Trump admite que existe. O argumento do presidente americano para se retirar é “a economia americana”. Enfim, deixo para os economistas discutirem. Noto que a filha dele Ivanka, o secretário de Estado e o secretário da Defesa discordam da decisão dele (seriam eles comunistas globalistas? Só rindo).

Antes de prosseguir, quero deixar claro que a saída americana apenas se concluirá no dia seguinte à próxima eleição presidencial de 2020. O futuro presidente, caso Trump não se reeleja, talvez mantenha os EUA no acordo. Estados como Nova York e Califórnia implementarão medidas do Acordo de Paris independentemente do que decidiu Trump. Grandes corporações, idem (até a Exxon Mobil). E o presidente americano já vinha desregulamentando a área ambiental apesar do acordo. Pelo menos, agora tudo está às claras.

A questão mesmo é o isolacionismo de Trump nesta questão do clima. O líder americano está batendo de frente abertamente com todas as nações do mundo, incluindo aliados históricos da União Europeia, que não irão renegociar o acordo. E não venham dizer que a Nicarágua e a Síria não integram o acordo. Na verdade, os nicaraguenses, que estão entre os mais ameaçados pelo aquecimento global, consideraram o acordo muito fraco e adotam medidas ainda mais rigorosas do que as acertadas em Paris. Isto é, os motivos são opostos aos de Trump. A Síria, por sua vez, não conseguiu enviar uma delegação para assinar.

Não me interessa que alguns virão aqui propagar teorias da conspiração e me atacar. Tem momentos que é melhor aguentar estes ataques do que se calar. É o nosso futuro que está em jogo. Não se trata de um tema “polêmico” do Twitter. Ainda bem que o mundo tem estadistas como Angela Merkel.


Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram