1. Usuário
Assine o Estadão
assine


O que ocorreria se o Brasil tivesse divisões sectárias como o Líbano?

gustavochacra

04 junho 2014 | 17:26

Desculpem os problemas técnicos com a mudança no blog. Não consigo moderar nem publicar comentários. Comentem no meu Facebook, aberto para seguidores (Guga Chacra)

Nesta minha viagem ao Líbano, encontrei uma nação bem mais otimista do que nas últimas vezes que estive aqui, em junho e novembro do ano passado. Em ambas, especialmente na primeira, havia um enorme temor de a Guerra da Síria provocar um conflito civil também no território libanês.

Não que a situação atual esteja boa. Ainda há mais de 1 refugiado, sírio ou palestino, para cada cidadão libanês. A Síria continua em guerra, embora com Assad avançando cada vez mais. Ao sul está Israel, ainda um inimigo. E os libaneses, desde o mês passado, não têm presidente porque as facções políticas no Parlamento, com membros cristãos em todas, não chegaram a um acordo para eleger o novo líder do país – as eleições parlamentares são democráticas e os deputados votam para presidente.

Mas o Líbano, hoje, pensa, acima de tudo, em Copa do Mundo. Há bandeiras espalhadas por todo o país. O Brasil, claro, é disparado o mais popular. Seria como o Flamengo no Rio ou o Corinthians em São Paulo. Pesa tanto sermos pentacampeão como também a enorme comunidade libanesa no Brasil. Depois de nós, vem os alemães (preferidos pelos xiitas) e, em uma escala menor, Argentina, Itália, França, Espanha e Argélia. Haverá telões espalhados por todo o país. A expectativa é de que a Copa gere um crescimento de 35% no movimento dos bares e restaurantes.

No Brasil, aparentemente, aos poucos, as pessoas começam a se empolgar com a Copa. Mas, ao compartilhar um entrevista da Dilma para o New York Times hoje no meu Facebook, vi comentaristas discutindo pesadamente a favor e contra a presidente. Não foi a primeira vez. Mas hoje o sentimento em defesa e contra o PT atingiu patamares similares aos de conflitos no Oriente Médio. Imaginem se o PT fosse o 8 de Março (xiitas e cristãos seguidores de Aoun), o PSDB o 14 de Março (sunitas e seguidores de Geagea) e os drusos de Jumblat o PMDB, navegando em suas alianças? Fico pensando o que ocorreria no Brasil se os partidos fossem, como no Líbano, associados a religiões. Será que haveria um conflito sectário como a Guerra Civil do Líbano nos anos 1980?

Apenas comentários do post do dia ou do post prévio serão publicados

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palac