As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que a oposição venceu a eleição na Nigéria e não no Brasil?

gustavochacra

31 Março 2015 | 18h09

Brasileiros reclamam muitas vezes que em alguns lugares do mundo não se importam com as eleições no Brasil. Mas muitos brasileiros não se importam com as eleições na Nigéria, maior economia e mais populoso país da África. Isso sem falar que muitos brasileiros são descendentes de tribos localizadas no que hoje é a Nigéria.

Nesta terça, Muhamudu Buhari, da oposição, foi eleito presidente da Nigéria, superando Goodluck Jonathan. O resultado surpreendeu em parte. Afinal, a Nigéria enfrenta uma crise econômica derivada da queda do preço do petróleo – o país é um importante produtor. O atual presidente também viu seu governo envolvido em escândalos de corrupção. Para completar, o líder nigeriano foi completamente incompetente no combate ao Boko Haram.

Não dá para cravar se a situação irá melhorar. Buhari tem fama linha dura e chegou a comandar a Nigéria durante o regime militar nos anos 1980. Tem um histórico de desrespeito aos direitos humanos. Ao mesmo tempo, fama de incorruptível. Espera-se que ele atue com mais firmeza contra o Boko Haram.

Como curiosidade, Jonathan é cristão e Buhari, muçulmano. Isso não significa que muçulmanos não votem em Jonathan e cristãos em Buhari, apesar das divisões religiosas do país. O partido de Jonathan, o PDP, sempre obteve sucesso por aliar a elite muçulmana do norte com líderes políticos do sul. Mas tem havido uma série de atritos internos. Já os opositores se uniram no APC.

Esta foi a primeira vez, desde a independência da Nigéria em 1960, que um partido opositor venceu as eleições.

A pergunta é – por que os opositores conseguiram vencer as eleições na Nigéria, mas não no Brasil?

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus.