As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que a Turquia é contra os EUA apoiem os curdos contra o ISIS?

gustavochacra

09 Maio 2017 | 20h05

O presidente Donald Trump anunciou que irá armar milícias curdas para lutarem contra o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh. Esta decisão irritou profundamente o governo de Recep Tayyp Erdogan na Turquia. Afinal, a principal milícia curda apoiada pelos EUA é o YPG. E o YPG é o braço do PKK na Síria. O PKK, para quem não sabe, é uma organização separatista curda na Turquia responsável por dezenas de atentados terroristas.

Na visão da Turquia, aliada história dos EUA e integrante da OTAN, o apoio americano ao YPG e outras milícias curdas equivaleria aos americanos apoiarem o Hezbollah. O Hezbollah, assim como o YPG, luta contra o ISIS. Mas, ao mesmo tempo, o grupo xiita libanês é acusado de terrorismo por uma série de nações e por Israel, outro aliado americano. No caso israelense, os americanos valorizam mais a aliança entre os dois países do que o fato de o Hezbollah lutar contra o ISIS. Lutar contra o ISIS não inocenta ninguém. Por que então no caso do YPG seria diferente?

O problema é que os EUA não possuem muitas alternativas para lutar contra o ISIS na Síria por terra. Não há como apoiar o regime de Bashar al Assad, acusado de crimes de guerra. E tampouco é viável apoiar os grupos rebeldes, já que os mais poderosos são extremistas e ligados à Al Qaeda. Os curdos, porém, possuem boas relações com os EUA e não são extremistas. Além disso, as milícias curdas, como o YPG, não lutam contra Assad – o objetivo deles não é tomar o poder em Damasco, mas apenas construir uma área autônoma conhecida como Rojava na fronteira da Síria com a Turquia. Desta forma, não haverá resistência da Rússia, do Irã e do regime sírio ao apoio americano ao YPG.

Mas este objetivo dos curdos de construírem uma área autônoma (Rojava) é justamente o que irrita a Turquia, pois pode incentivar o PKK a aprofundar o separatismo no território curdo. Alguns poderão perguntar o motivo de a Turquia não se irritar com o Curdistão iraquiano. A diferença é que o Curdistão iraquiano não tem ligação com o PKK.


Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram