As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que a Arábia Saudita não sofre sanções por decapitar opositores?

gustavochacra

04 Agosto 2017 | 09h14

A Arábia Saudita deve condenar 14 opositores à morte por decapitação. Mas não será alvo de sanções dos EUA. Tampouco sofre sanções por ser a nação do planeta onde mulheres e minorias religiosas possuem menos direito e por difundir uma vertente extremista do islamismo adotada por organizações terroristas como o ISIS (também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh), Al Qaeda, Boko Haram, Taleban e Al Shabab.

Donald Trump deve ser elogiado por ter imposto sanções contra Nicolas Maduro, que destruiu de vez a democracia da Venezuela que já vinha em ruínas desde os tempos de Hugo Chávez. Mas deve ser criticado por ter escolhido a Arábia Saudita como seu primeiro destino internacional e como se fosse uma nação que respeita os direitos humanos e os ideais democráticos. Afinal, sem dúvida, a Venezuela não é mais uma democracia. Ao mesmo tempo, na Arábia Saudita, nenhum de todos os chefes de Estado da história foram eleitos. Tinham em comum apenas serem filhos do “fundador” desta nação rica em petróleo.

Mais impressionante, Trump tentou proibir a entrada de todos os cidadãos de seis países de maioria islâmica no território americano – Irã, Síria, Líbia, Sudão, Yemen e Somália – com o argumento de “combater o terrorismo. Mas nunca um iraniano cometeu um atentado terrorista nos EUA. Por outro lado, 15 dos 19 terroristas do 11 de Setembro eram sauditas (dois eram dos Emirados, um do Egito e um do Líbano), que podem entrar normalmente. Sempre quando ocorre um ato terrorista, suspeitamos de grupos seguidores da vertente do islamismo difundido pela Arábia Saudita, não pelo Irã.

E não critico apenas Trump. A mesma crítica vale para Obama, Bush filho, Clinton, Bush pai, Reagan… A Arábia Saudita segue impune, infelizmente. Sim, fez algumas micro aberturas, mas mulheres ainda são tratadas como cidadãs se segunda classe, a população não escolhe seus representantes e xiitas e opositores são perseguidos.


Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram