As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que o ENEM errou ao chamar afegã de “árabe maometana”?

gustavochacra

28 Outubro 2015 | 14h03

O ENEM deste fim de semana gerou muita polêmica sobre a redação. Mas, para mim, uma questão também chamou a atenção por usar esta citação abaixo (no fim do texto) porque há um erro grave de informação muito comum entre as pessoas. Zizek, o autor citado, fala de uma menina afegã e a classifica como “árabe e maometana”.

Primeiro, para ficar claro, o Afeganistão não é uma nação árabe. É majoritariamente pashtum, com minorias tajique, uzbeque e hazara. Afinal, nem todo muçulmano é árabe e nem todo árabe é muçulmano. Aliás, a maior parte dos muçulmanos não é árabe e vive em países de outras etnias, como a Indonésia, Índia, China, Irã, Turquia, Paquistão, Bósnia, Cazaquistão, Rússia, Malásia e Afeganistão. E há muitos árabes cristãos, como vemos no Líbano, na Síria, no Egito, no Iraque e no Brasil – além, claro, de árabes ateus e judeus.

Em segundo lugar, a expressão maometana para designar muçulmana é antiquada. Era um termo mais comum no início do século passado. Os vestibulandos leem todos os dias no jornal e escutam na TV “muçulmana” para no dia da prova darem de cara com “maometana”?

Não custava nada ter arrumado o texto e escrito uma menina “afegã muçulmana”. Ninguém tem obrigação de saber das informações que coloquei acima. Mas o ENEM não deveria usar uma expressão errada, ainda que esta tenha sido do autor ou do tradutor.

Abaixo, a citação (a pergunta, em si, é irrelevante para este meu texto)

“Quanto ao Choque de Civilizações, é bom lembrar a carta de uma menina americana de sete anos cujo pai era piloto na Guerra do Afeganistão: ela escreveu que – embora amasse muito o pai – estava pronta a deixá-lo morrer, a sacrificá-lo por seu país. Quando o presidente Bush citou suas palavras, elas foram entendidas como manifestação normal do patriotismo americano; vamos conduzir uma experiência mental simples e imaginar uma menina árabe maometana pateticamente lendo para as câmeras as mesmas palavras a respeito do pai que lutava pelo Talibã – não é necessário pensar muito sobre qual seria nossa reação.”

ZIZEk, S. Bem Vindo ao Deserto do Real

São Paulo, Boitempo. 2003

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. E comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram