As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Qual o papel dos drusos na Síria, Israel e Líbano?

gustavochacra

22 Fevereiro 2017 | 13h21

O que a Amal Alamuddin, uma das mais proeminentes advogadas de direitos humanos do mundo e conhecida por ser mulher do ator George Clooney, o vice-presidente da Venezuela, Tarek El Assaimi, acusado de tráfico de drogas pelos EUA, o ex-embaixador de Israel no Brasil Reda Mansour e o líder político libanês Walid Jumblat têm em comum? Todos são drusos.

E quem são os drusos? Drusos seguem uma religião derivada do islamismo, mas com identidade própria, concentrada na região do Levante – Líbano, Síria e Israel, além de uma Diáspora muito forte na Venezuela. Mas meu foco não é na parte teológica, e sim no papel dos drusos na política do Oriente Médio.

Na Síria, os drusos, assim como a maior parte dos cristãos e dos muçulmanos alauítas, costumam apoiar o regime de Bashar al Assad. Eles se concetram acima de tudo na região de Sweida, na fronteira com a Jordânia, e nas colinas do Golã. Durante o mandato francês, a França propôs a construção de um Estado (Jabal al Druze) nesta área. Seria um dos cinco Estados da grande Síria – os outros seriam o Líbano, que seria controlado pelos cristãos, um para os alauítas na atual costa mediterrânea da Síria (Tartus e Latakia), e outros dois – um ao redor de Damasco e outro ao redor de Aleppo. No fim, apenas o Líbano ficou separado, com o restante sendo englobado na Síria.

No Líbano, os drusos seguem seus líderes, sendo o mais importante deles Walid Jumblat. Atualmente, mantém uma posição de independência na política libanesa, navegando para diferentes lados de acordo com o faro político de Jumblat, uma das figuras políticas mais respeitadas do mundo árabe. Mas há facções drusas rivais dele. E os drusos costumam viver no Shuf, que é uma porção dos montes do Líbano um pouco ao sul da costa de Beirute.

Em Israel, os drusos se dividem em dois grupos. Os drusos da Galileia se sentem integralmente parte da sociedade israelense, fazendo Exército inclusive. Já os do Golã, anexado por Israel em ato não reconhecido pela ONU, mantêm lealdade a Assad e optam por não se envolver em temas de Israel-Palestina. Historicamente, muitos drusos do Golã mantêm relações familiares e sociais com os drusos do lado sírio.

Enfim, este é mais um post para mostrar as nuances dos conflitos no Oriente Médio.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram