As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quando a Arábia Saudita terá cineastas e filmes como o Irã?

gustavochacra

12 Dezembro 2017 | 12h18

O príncipe Mohammad bin Salman, mais conhecido como MBS, que é uma espécie de Putin ou Erdogan da Arábia Saudita, anunciou que autorizará cinemas no país a partir do ano que vem. Um avanço, sem dúvida, para os sauditas. Esta nação árabe, rica em petróleo, aos poucos chega ao século 20 – ou talvez chegue mesmo à Arábia Saudita dos anos 1970, quando havia cinemas no país. Esta medida foi anunciada depois de mulheres serem autorizadas a dirigir meses atrás.

O cinema era proibido na Arábia Saudita desde os anos 1980, quando o regime dos Saud adotou uma postura mais radical justamente para tentar bater de frente com os radicais religiosos que tomaram Mecca por militantes em 1979.

A permissão dos cinemas faz parte da agenda de MBS focada em concentrar o poder em suas mãos por meio da eliminação de clãs rivais na família Saud, reforma da economia para reduzir a dependência do petróleo, uma política externa até agora desastrada para bater de frente com o Irã e se aproximar de Israel e a liberalização parcial da sociedade saudita para atrair apoio doméstico entre os jovens.

A Arábia Saudita está longe, muito longe, de se tornar liberal mesmo para padrões regionais. O máximo que MBS conseguirá levar a sociedade saudita talvez seja para algo como Abu Dhabi ou Doha. Estão ainda muito distantes, talvez quatro ou cinco décadas, de serem como Beirute e Istambul. E obviamente não dá para comparar com Estocolmo ou Berlim.


Apenas para ficar claro, a proibição saudita não tem relação com o islamismo. Algumas nações de maioria islâmica possuem tradição no cinema. O Irã é o exemplo mais óbvio, tendo diretores renomados, filme que já venceu o Oscar e vários outros em cartaz ao redor do planeta, tendo muito sucesso inclusive no Brasil. Um dos passatempos mais tradicionais dos iranianos é ir ao cinema. Quem sabe os sauditas um dia consigam ser como os iranianos. Certamente, deve haver muitos jovens com potencial – e sauditas já podiam assistir a filmes no Netflix e outras formas no computador e na TV.