As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quando acabará a Guerra da Síria?

gustavochacra

16 Março 2015 | 11h06

Sei que houve as gigantescas manifestações no Brasil neste domingo. Sei que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, reapareceu hoje depois de dez dias como se nada houvesse acontecido. Sei que amanhã há eleições em Israel e o premiê Benjamin Netanyahu pode ser derrotado, segundo pesquisas. Sei também que as negociações nucleares envolvendo o Irã prosseguem na Suíça. E sei que retornei do Brasil hoje.

O tema, porém, será os quatro anos da Guerra da Síria e a afirmação do secretário de Estado John Kerry dizendo que, em algum momento, será preciso dialogar com o líder sírio, Bashar al Assad. E ele tem razão. Não haverá conclusão do conflito na Síria sem a participação do regime. Qualquer outra alternativa é utópica.

Provavelmente, a Guerra da Síria, que hoje envolve uma série de conflitos paralelos, não deve ter uma resolução total nos próximos anos. A tendência é um enfraquecimento progressivo do ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh. Outras organizações rebeldes, como a Frente Nusrah (Al Qaeda na Síria) e Jaysh al Islam podem ocupar o vácuo.

Assad, por sua vez, cada vez mais dependente do Irã e do Hezbollah, irá manter o controle dos grandes centros populacionais, como Damasco, Homs, Hama e as cidades mediterrâneas de Tartus e Lataquia. Deve ainda ampliar o seu atual controle parcial de Aleppo. O interior da Síria seguirá com combates. Não será muito diferente da Colômbia nos anos 1990, conforme já escrevi aqui.

Em um período que pode variar de três anos a uma década (talvez mais), os grupos envolvidos e o regime devem chegar a um esgotamento e haverá espaço para uma negociação que coloque um fim à guerra mais sangrenta do século 21. Teremos um número de vítimas superior a meio milhão de pessoas. O contexto deste acordo ainda está distante – até lá, o cenário geopolítico mundial deve ser alterado. No Líbano, uma nação que passou para uma guerra civil proporcionalmente mais violenta do que a da Síria, foram necessários 15 anos até o cessar-fogo e um novo ponto de equilíbrio.

Em duas ou três décadas, existe uma chance de ser possível visitar Aleppo reconstruída – Beirute demorou cerca de 30 anos para se reerguer. Há uma possibilidade grande de a cidade-velha e de o centro da capital síria seguirem praticamente intocados. A geração dos refugiados está perdida. Não será possível voltar no tempo.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus.