As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Você sabia que o ISIS não para de sofrer derrotas?

gustavochacra

07 Dezembro 2016 | 15h01

O ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh, não para de apanhar, conforme observamos na Síria, no Iraque e, agora, na Líbia. Seu único bastião no norte da África, em Sirte (costa da Líbia) foi derrubado por diferentes milícias líbias.

A organização não conquista território há meses. Na verdade, está retaguarda, perdendo sucessivamente áreas sob seu controle no Iraque e na Síria. Mas alguns podem perguntar o motivo de a retomada de Mossul, no Iraque, estar demorando tanto. Na verdade, não está.

1) Mossul é uma cidade que ainda tem 1 milhão de habitantes – chegou a ter mais do que isso no passado. Isto é, recuperar Mossul, como expliquei aqui recentemente, equivale a retomar Recife das mãos de uma milícia extremista como o ISIS. Não é fácil. É uma área urbana bem maior do que Palmyra, Fallujah, Tikrit e Ramadi (cidades onde o ISIS foi derrotado)

2)  A operação envolve diferentes forças, muitas rivais entre si, e a coordenação é complicada. O comando é das Forças Armadas iraquianas, com a participação de milícias xiitas, tribos sunitas e guerreiros Pesh Merga do Curdistão. Até pequenos grupos cristãos e yazidis estão envolvidos. Tudo com o amparo dos EUA e do Irã (e até da Rússia). Como escrevi aqui antes, é um Exército como os do Senhor dos Anéis ou os do Game of Thrones

3) Nas outras cidades iraquianas, a frente oeste foi deixada aberta para permitir a saída dos membros do ISIS em direção à Síria. Não houve muita resistência da organização terrorista. Desta vez, o Irã e a Rússia não concordaram e determinaram o cerco total de Mossul porque não querem mais militantes do grupo em Raqqa, na Síria. Portanto os membros do ISIS ficarão em Mossul lutando até a morte. Serão esmagados, da mesma forma que o regime sírio está esmagando rebeldes (muitos deles quase tão extremistas quanto os do ISIS) em Aleppo

Obs. A derrota territorial do ISIS não implica em redução do terrorismo. Ao contrário, nestes momentos, organizações terroristas intensificam seus ataques. Inclusive, as ações terroristas cresceram no Iraque nas últimas semanas

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram