Depois dos cientistas, agora atletas colocam dúvidas sobre Rio-2016

Jamil Chade

29 Maio 2016 | 18h57

GENEBRA – Depois de uma carta aberta publicada por 150 cientistas criticando a decisão da Organização Mundial da Saúde (OMS) em manter os Jogos Olímpicos do Rio por conta do zika vírus, é agora a vez dos atletas se somarem à campanha.

Neste domingo, um dos principais nomes do basquete mundial, Pau Gasol, publicou na imprensa espanhola um artigo duro contra os organizadores do evento no Brasil, colocando em dúvida se seria adequado manter a Olimpíada.

« Zika é realmente uma ameaça muito mais séria que acreditamos.  Sabemos muito pouco e não estamos preocupados suficientemente », escreveu. « A Olimpíada é o evento mais importante para qualquer atleta. Não estar presente seria devastador para um esportista de alto nível que dedicou sua vida a esses minutos e inclusive a segundos de competição », disse. « Mas com a saúde não se joga, e não falo apenas da saúde dos atletas, mas também dos torcedores, das famílias que iriam apoiar os atletas, das famílias para as quais eles voltarão uma vez terminada a competição, dos futuros filhos e filhas », alertou um dos astros do esporte mundial.

Gasol desafia os organizadores a responderem se « todas as medidas que garantem a saúde » estão sendo tomadas ou se estão se sobrepondo os « interesses econômicos sobre a saúde milhões de pessoas pelo mundo ? ».

« Esta Olimpíada, a primeira a ocorrer na América do Sul, pode ser realmente inesquecível. Mas corremos o risco de que seja pelos motivos equivocados », alertou. «Temos de tomar decisões e medidas para que o sonho olímpico não se converta em um pesadelo sanitário », apontou.

Gasol lembra que algumas delegações decidiram tomar medidas para conter o risco. Mas insistiu que são os atletas que responderam por enquanto com mais força. « A jogadora de futebol americana Hope Solo declarou há poucos dias que se a Olimpíada ocorresse hoje, ela não iria. O golfista Marc Leishman, cuja esposa esteve a ponto de falecer por causa do Zika já anunciou que renunciará ao evento », disse. Segundo ele, atletas como Carmelo Anthony e Serena Williams que expressaram sua preocupação.

Alarmado com a ofensiva, o governo de Michel Temer já começou uma campanha para tentar dar garantias aos estrangeiros. Para todos os governos, o Itamaraty enviou um comunicado apontando para a queda no número de mosquitos nos meses de inverno no Brasil.

O governo ainda vai chamar embaixadores estrangeiros, agências de viagem e jornalistas internacionais para explicar as medidas.