Um diário íntimo do Fim da Guerra Fria

Jamil Chade

08 Novembro 2009 | 10h55

PRAGA, REPÚBLICA TCHECA – Poucos são os documentos pessoais que explicam em tão poucas palavras um acontecimento histórico. Mas o diário do assistente para política externa de Mikhail Gorbatchev, Anatoly Chernyaev, revela o que poucos historiadores, jornalistas ou sociólogos conseguiriam descrever diante do acontecimento.

Eis o que ele anotou em seu diário pessoal no dia 10 de novembro de 1989, dia seguinte à queda do Muro de Berlim:

“O Muro de Berlim entrou em colapso. Uma era inteira na história do sistema socialista acabou. Hoje, também recebemos a notícia sobre a “aposentadoria” de Zhivkov (líder búlgaro). Apenas nossos “melhores amigos” Castro, Ceausesco e Kim Il Sung ainda estão por ai – pessoas que nos odeiam.

Mas o principal é o Muro de Berlim. Ele não tem relação apenas com o socialismo, mas com uma mudança no equilíbrio de poder mundial. Esse é o fim de Ialta…do legado Stalinista e da derrota da Alemanha Hitlerista.

Isso é o que Gorbatchev fez. E ele acabou sendo um grande líder. Ele entendeu o caminho da história e ajudou a história a achar seu canal natura¨.

O diário, para quem quiser ler, está nos arquivos da Fundação´Gorbatchev, em Moscou, ou no Biblioteca Havel, em Praga.