A rota autoritária turca

Lourival Sant’Anna

23 Abril 2017 | 15h28

Durante as manifestações de 2013, o cientista político Sahin Alpay, hoje preso político, mostrou as diferenças de reações dos governos de Brasil e Turquia à mobilização popular. Quatro anos depois, a distinção é ainda mais visível. O Brasil caminhou para o fortalecimento da independência da Justiça, do Ministério Público e da Polícia Federal, e para um doloroso ajuste de contas com sua cultura de corrupção. A Turquia foi no sentido contrário. Mas sua história, assim como a da Venezuela, guarda uma lição da qual não podemos nos esquecer, nem um dia sequer.

Clique aqui para ler minha coluna no Estadão


Mais conteúdo sobre:

ErdoganSahin AlpayDilma Rousseff