Direito e terror

Lourival Sant’Anna

25 Dezembro 2016 | 11h44

A base do direito liberal é a defesa do cidadão contra o poder assimétrico do Estado. No terrorismo islâmico, a preservação da integridade física do autor dos atentados não é um objetivo. Ao contrário. Sua morte, entendida como martírio, está entre os objetivos da ação. Então, o Estado se vê tentando proteger os direitos e a vida de uma pessoa que já abriu mão desses direitos e, portanto, segue uma lógica alheia à do sistema jurídico e policial. Por isso o sistema de repressão é tão falho.

Clique aqui para ler minha coluna no Estadão deste domingo.