Jogo de sombras

Lourival Sant’Anna

05 Fevereiro 2017 | 08h52

A confusão causada pelo decreto do dia 27, que proibiu a entrada de refugiados nos Estados Unidos, não é o efeito colateral de uma medida precipitada. Ao contrário. É parte de um método de trabalho, de uma estratégia de propaganda e de gestão. E tem as digitais de Stephen Bannon, o estrategista de campanha de Donald Trump, agora seu conselheiro na Casa Branca. E do próprio Trump, claro, do qual Bannon se converteu numa espécie de alter ego.

Clique aqui para ler minha coluna no Estadão

 

Mais conteúdo sobre:

TrumpBannonrefugiadosimigrantes