Investigador do ‘Russiagate’ interrogou ex-espião que produziu dossiê sobre Trump na Rússia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Investigador do ‘Russiagate’ interrogou ex-espião que produziu dossiê sobre Trump na Rússia

Indicado pelo governo, Robert Mueller conduz um inquérito independente do Departamento de Justiça sobre a possível interferência da Rússia nas eleições americanas de 2016

Redação Internacional

06 Outubro 2017 | 16h05

WASHINGTON – A equipe do procurador especial dos Estados Unidos para o caso “Russiagate”, Robert Mueller, interrogou o ex-espião britânico Christopher Steele, autor de um dossiê sobre as relações entre o presidente Donald Trump e o governo de Moscou. De acordo com a rede CNN, que revelou a informação, o interrogatório ocorreu recentemente, na Europa.

O ex-diretor do FBI Robert Mueller conduz uma investigação independente sobre as ligações entre Trump e a Rússia. Foto: Jonathan Ernst/Reuters

O dossiê contém informações como a participação de Trump em festas de hotéis em Moscou, a relação do magnata com empresários russos e a suposta atuação de hackers do país em invasões de computadores da campanha da candidata democrata Hillary Clinton.

O relatório de 35 páginas do ex-espião do MI-6 teria até mesmo um vídeo de Trump com prostitutas em 2013, em Moscou. O republicano sempre alegou de que o dossiê era uma “fake news”.


De acordo com a imprensa americana, Mueller começou a investigar a fundo o conteúdo do dossiê.  Fontes do serviço de inteligência dos EUA disseram que os russos com os quais Trump teve contato são espiões de Moscou e essa relação entre o magnata e o governo russo pode ter perdurado durante a corrida à Casa Branca.

+ Conselheiro especial americano convoca grande júri em investigação sobre Rússia

Indicado pelo governo, Mueller conduz um inquérito independente do Departamento de Justiça sobre a possível interferência da Rússia nas eleições americanas de 2016. Se comprovada a relação de Trump com planos russos ou estratégias para vencer a eleição, o magnata poderá ter seu cargo de presidente em risco. / Ansa