Museu de Chicago revela que ‘Renoir’ de Trump é falso
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Museu de Chicago revela que ‘Renoir’ de Trump é falso

De acordo com um ex-biógrafo de Trump, o presidente dos EUA afirma possuir o original As duas irmãs (ou O terraço), um óleo sobre tela pintado pelo mestre francês Pierre-Auguste Renoir em 1881

Redação Internacional

24 Outubro 2017 | 06h00

CHICAGO – Um museu americano está questionando a afirmação do presidente americano, Donald Trump, de que possui um autêntico Renoir.

De acordo com um ex-biógrafo de Trump, o líder dos EUA afirma possuir o original As duas irmãs (ou O terraço), um óleo sobre tela pintado pelo mestre francês Pierre-Auguste Renoir em 1881. Mas o Art Institute de Chicago colocou essa informação em dúvida.

Imagem do Renoir original mantido pelo Art Institute of ChicagoFoto: AFP / The Art Institute of Chicago / HO

“Fico feliz em confirmar que está em nossa coleção”, disse a porta-voz do museu Amanda Hicks. “Estamos orgulhosos e agradecemos poder compartilhar esta pintura excepcional com nossos 1,5 milhão de visitantes por ano”.


Um trabalho idêntico, que Trump afirmou ser o original, foi exibido em seu jato privado e visto recentemente, como no ano passado, dentro de sua casa em Nova York, de acordo com o biógrafo Tim O’Brien. Veja a reportagem da TV CNN aqui.

O’Brien disse à revista Vanity Fair no início deste mês que viu a pintura ao realizar entrevistas para o livro de 2005 TrumpNation: The Art of Being the Donald.

O biógrafo, que Trump processou sem sucesso por ter afirmado que seu patrimônio líquido era de somente US$ 150 milhões, corrigiu o autoproclamado bilionário. “Claramente era uma imitação”, garantiu O’Brien à revista Hive, acrescentando que disse a Trump “cresci em Chicago. Esse não é o original”.

Trump, no entanto, insistiu na autenticidade de sua pintura, declarou O’Brien. Procurada, a Casa Brança não se manifestou sobre o caso.

Segundo o museu de Chicago, a tela de Renoir foi doada em 1933 por um colecionador de arte local, que o comprou de um comerciante de arte de Paris, que, por sua vez, o havia adquirido do próprio artista em 1881 por 1.500 francos.

Essa não é a primeira controvérsia sobre autenticidade em que Trump se envolve. Em junho, a revista Time teria pedido à Organização Trump que retirasse de exibição uma falsa capa de revista com o rosto de Trump adornado com uma manchete simpática. / AFP