Belo Monte

O repórter-fotográfico Dida Sampaio percorreu por terra, água e ar a região onde será construída a usina hidrelétrica de Belo Monte em Altamira no Pará. O obra faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e, quando concluída, será a maior usina hidrelétrica nacional. O cotidiano dos vilarejos e aldeias, a população ribeirinha que vive nas margens do Rio Xingu e as belezas naturais do local estão presentes neste ensaio.

Estadão

14 Novembro 2009 | 15h16

Macaco-prego que foi adotado por uma queixada na aldeia dos índios da etnia Arara. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Macaco-prego que foi adotado por uma queixada na aldeia dos índios da etnia Arara. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Embarcação navega pela águas do local previsto para construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Embarcação navega pela águas do Rio Xingu, local previsto para construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Iracema de Oliveira, na aldeia dos índios Araras. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Iracema de Oliveira, na aldeia dos índios Araras. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

O macaco foi capturado ainda filhote por índios na selva amazônica e logo foi adotado por um casal de queixadas. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

O macaco foi capturado ainda filhote por índios na selva amazônica e logo foi adotado por um casal de queixadas. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Ilha da fazenda povoado proximo  do local onde está previsto a   construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu,

Povoado próximo do local onde está previsto a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Bichos da selva vivem como animais domésticos na tribo Arara. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Bichos da selva vivem como animais domésticos na tribo Arara. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Animais da selva fazem companhia à Iracema de Oliveira. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Animais da selva fazem companhia à Iracema de Oliveira. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Macaco-prego pega carona nas costas da 'mamãe' queixada. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Macaco-prego pega carona nas costas da 'mamãe' queixada. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea de Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea de Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Garimpo de ouro da Grota Seca, na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Garimpo de ouro da Grota Seca, na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

O garimpo fica próximo do local onde está previsto a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

O garimpo fica próximo do local onde está previsto a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea do Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea do Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Garimpeiros trabalham na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Garimpeiros trabalham na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Casa construída sobre pedras na Ilha do Barbudo. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Casa construída sobre pedras na Ilha do Barbudo. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Palafitas que serão retiradas após a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Palafitas que serão retiradas após a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea do Rio Xingu ao entardecer. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea do Rio Xingu ao entardecer. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Comercio na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Comércio na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Mulher utiliza telefone público na Ilha Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Mulher utiliza telefone público na Ilha Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Índios da etnia Arara pescam no rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Índios da etnia Arara pescam no rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Índio Josinei Ferreira Arara chega na aldeia após colher batatas. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Índio Josinei Ferreira Arara chega na aldeia. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Índios da etnia Arara exibem peixes capturados no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Índios da etnia Arara exibem peixes capturados no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Biguatinga com sua refeição pescada no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Biguatinga com sua refeição pescada no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Pequena embarcação faz o transporte de ribeirinhos no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Pequena embarcação faz o transporte de ribeirinhos no Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea do Rio Xingu. A obra envolve a construção de um desvio no curso do rio. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Vista aérea do Rio Xingu. A obra prevê a construção de um desvio no curso do rio. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

População ribeirinha utiliza o rio para lavar roupas na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

População ribeirinha lava roupas na Ilha da Ressaca. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Indiozinho da etnia Arara carrega no ombro uma jabota. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Indiozinho da etnia Arara carrega no ombro uma jabota. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Barco de pesca navega pelo Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE

Barco de pesca navega pelo Rio Xingu. Altamira, Pará. Foto: DIDA SAMPAIO/AE