Da raíz aos grãos

São várias as matérias primas que dão origem à farinha. São vários os processos que fazem com que a farinha seja o que é dentro do pacote, nas mesas de nossas casas. São várias as formas de consumo. E são várias as farinhas. Uma das mais conhecidas é a farinha de mandioca. Nomeada popularmente como ‘macaxeira’, a mandioca é uma raiz comestível originária do oeste do Brasil e um dos alimentos mais consumidos no nordeste, região onde se concentra um grande número de casas de farinha. A seguir, você verá fotos de uma casa de farinha situada na cidade de Passa e Fica, no Rio Grande do Norte, e conhecerá todas as etapas de produção da farinha de mandioca, desde o descasque da raiz até o empacotamento.

Estadão

14 Março 2012 | 07h08

Trabalho artesanal da casa de farinha na cidade de Passa e Fica no Estado do Rio Grande do Norte. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

O primeiro passo para a fabricação da farinha de mandioca é a retirada da casca. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE


O primeiro passo para a fabricação da farinha de mandioca é a retirada da casca. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

O segundo passo é quando se leva a matéria-prima à máquina de ralar. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

O segundo passo é quando se leva a matéria-prima à máquina de ralar. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

O segundo passo é quando se leva a matéria-prima à máquina de ralar. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Logo após, a mandioca ralada é prensada para retirar o excesso de água da raíz. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Logo após, a mandioca ralada é prensada para retirar o excesso de água da raíz. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Para evitar a fermentação e o esfarelamento da farinha, a massa ainda pastosa da prensagem é levada rapidamente ao processo de peneiração. Essa atividade pode ser feita tanto manualmente como por máquinas. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Para retirar a umidade, a massa peneirada é mexida constantemente. É nesse processo que a farinha de mandioca se torna única: o tempo no forno, a granulação, a temperatura e a técnica de mexer variam. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Para retirar a umidade, a massa peneirada é mexida constantemente. É nesse processo que a farinha de mandioca se torna única: o tempo no forno, a granulação, a temperatura e a técnica de mexer variam. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Para retirar a umidade, a massa peneirada é mexida constantemente. É nesse processo que a farinha de mandioca se torna única: o tempo no forno, a granulação, a temperatura e a técnica de mexer variam. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Para retirar a umidade, a massa peneirada é mexida constantemente. É nesse processo que a farinha de mandioca se torna única: o tempo no forno, a granulação, a temperatura e a técnica de mexer variam. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

O forno para a torragem da farinha deve ser abastecido frequentemente com a lenha para manter a temperatura constante. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Último processo: ensacamento do produto final. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Último processo: ensacamento do produto final. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE

Trabalho artesanal da casa de farinha na cidade de Passa e Fica no Estado do Rio Grande do Norte. 21/07/2009. Foto: José Patrício/AE