A história do sonho europeu em sete capítulos
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A história do sonho europeu em sete capítulos

Do Império Romano à União Europeia, relembre outras tentativas tentativa de unificação do continente europeu ao longo dos séculos

Redação Internacional

25 Março 2017 | 07h00

A União Europeia, criada pelo Tratado de Roma há 60 anos e ameaçada pela separação do Reino Unido, é a última tentativa na longa e sangrenta história da unificação do continente europeu. Estas foram as tentativas de unificar, sob a mesma bandeira, povo ou nação, mais notáveis da história do Velho Continente.

• Império Romano
QUANDO: 27 a.c.- 476, e sua queda ante os povos germânicos.

ONDE: Desde o norte da Inglaterra até o norte da África, da costa atlântica europeia até o Oriente Médio.

Bandeira da União Europeia com o Big Ben, em Londres, ao fundo (AFP PHOTO / Justin TALLIS)

Bandeira da União Europeia com o Big Ben, em Londres, ao fundo (AFP PHOTO / Justin TALLIS)

A visão de uma Europa unida tem estado ancorada no tempo. Há séculos imperadores expandiram a sua influência através de um território ainda maior do que o atual da UE.

O tratado fundador da União Europeia, o Tratado de Roma de 1957, foi assinado em uma cidade que foi a sede da civilização europeia e do poder centralizado por meio milênio.

Roma sobreviveu mais tempo do que qualquer outro regime, ruindo finalmente em meio a lutas internas, suas ambições e invasões bárbaras.

• Carlos Magno
QUANDO: 768-814

ONDE: do leste europeu ao oeste da França, e uma grande parte da Itália.

Roma foi o centro do projeto europeu lançado por Carlos Magno, o rei dos francos. Instalado principalmente em Aachen, na Alemanha, Carlos Magno lutou em guerras sem fim para unir seu vasto reino sob um trono e foi coroado imperador de Roma pelo Papa Leão III (750-816), sendo o primeiro desde a queda do Império Romano.

Cristão fervoroso, Carlos Magno impôs sua fé através das fronteiras feudais da Europa, instituindo reformas políticas e um renascimento intelectual. O Sacro Império Romano perdurou depois de Carlos Magno, mas como uma confederação de ducados alemães e cidades-Estado.

• Carlos V
QUANDO: 1515-1555

ONDE: Espanha, Itália, Alemanha, Holanda e América do Sul.

O único governante do Sacro Império Romano que procurou a unidade da Europa em uma escala comparável à da União Europeia de hoje foi Carlos de Habsburgo. Carlos V era um belga francófono, de mãe espanhola e pai flamengo, que tentou construir uma Europa com base em um catolicismo convicto, leis comuns e colonialismo.

Mas os europeus provaram ser muito díspares e pouco dispostos a pagar impostos para um autocrata com sede na Bélgica, com o qual tinha pouco em comum. Carlos V abdicou depois de governar por 34 anos, aposentando-se em um mosteiro na Espanha

• Napoleão Bonaparte
QUANDO: 1799-1815

ONDE: Da Espanha até os arredores de Moscou

A Revolução Francesa, filha do Iluminismo, mudou a Europa para sempre, especialmente porque um ditador corsa tentou impor seus valores além do que é a atual UE. Influenciado pela Roma antiga, Napoleão transformou a Revolução Francesa em um império familiar, e embarcou em uma década de batalhas militares, que terminou com sua derrota final em Waterloo, agora um subúrbio de Bruxelas.

Napoleão sentia profundamente o passado romano da Europa. Deu a Paris um Arco do Triunfo de estilo romano para celebrar seus soldados caídos na guerra e criou a Legião de Honra, uma ordem de distinção, como o Legio Honoratorum romano. Também evocou Carlos Magno em sua coroação imperial em 1804.

• Victor Hugo
QUANDO: anos 1840

Após o Congresso de Viena, que marca o fim das guerras napoleônicas, a Europa tornou-se um continente de Estados-nação que trabalham em conjunto de forma prudente para preservar um equilíbrio de poder nas mãos de forças conservadoras.

Contra isso, os intelectuais como o francês Victor Hugo e o italiano Giuseppe Mazzini defendiam um Estados Unidos da Europa, baseado na paz e num propósito comum que alimentaria as revoluções de 1848, que serviram de base para as visões da Europa posterior à Segunda Guerra Mundial.

• Adolf Hitler
QUANDO: 1938-1945

ONDE: A maior parte da Europa, partes do Norte da África e Rússia

A visão de Europa de Hitler sob a suástica nazista era menos um sonho do que uma busca distorcida do “Lebensraum” (espaço vital) para uma Grande Alemanha. Roma voltou a ser uma inspiração, sob a forma da águia nazista e outra iconografia marcial, bem como os grandes projetos de arquitetura de Hitler.

Havia também grandes reminiscências napoleônicas, particularmente no que foi outra tentativa fracassada de conquistar a Rússia. Boris Johnson, atual ministro britânico de Relações Exteriores, provocou indignação no ano passado quando comparou a UE com Napoleão e Hitler.

• União Europeia
QUANDO: 1957 – atualmente

ONDE: Os atuais 28 membros

Em 1950, apenas cinco anos após a Segunda Guerra Mundial, o ministro francês das Relações Exteriores, Robert Schuman, apresentou propostas para uma união econômica entre a França e a Alemanha Ocidental, inspirado pelas ideias do economista Jean Monnet, que durante muito tempo foram consideradas como uma fantasia pacifista.

Um ano depois, seis países – Bélgica, França, Alemanha, Itália, Luxemburgo e Holanda – instituíram a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, com base no Tratado de Roma, assinado em 25 de março de 1957, estabelecendo o precursor da UE.

O Reino Unido tornou-se o primeiro país a deixar a União, mas a UE é um capítulo na história da Europa que permanece inacabado. / AFP

Mais conteúdo sobre:

EuropaUnião Europeia