As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A semana em sete notícias

Redação Internacional

08 Maio 2010 | 10h00

Confira abaixo as principais notícias que foram publicadas no caderno de Internacional do jornal O Estado de S. Paulo:

Domingo, 2 de maio – A quatro dias da eleição que definirá o novo primeiro-ministro da Grã-Bretanha, uma conjunção de fatores pode fazer com que a votação de quinta-feira tenha “três derrotados”. Com a perspectiva cada vez mais concreta de que o Parlamento acabe dividido por trabalhistas, conservadores e liberais, a hipótese de que nem Gordon Brown, nem David Cameron, nem Nick Clegg seja escolhido premiê se tornou uma possibilidade real. O cenário de começou a ser avaliado pela imprensa na última semana. A confirmação depende da divisão do Legislativo em três forças políticas e do veto dos liberais à continuidade de Brown no poder. O primeiro quadro vem se desenhando há duas semanas em todas as sondagens de opinião realizadas desde a ascensão de Clegg.

Segunda-feira, 3 de maio – A polícia de Nova York está investigando um homem branco, de 40 anos, cuja imagem foi captada por câmeras perto da Nissan Pathfinder cheia de explosivos encontrada na Times Square, no sábado à noite. Nas imagens, o homem parece estar se afastando do veículo, olha seguidamente por cima do ombro, tira a camiseta escura que está vestindo, joga no lixo, e fica com a camisa vermelha que estava por baixo.

Terça-feira, 4 de maio – Funcionários do governo americano afirmam que o atentado frustrado com um carro-bomba na Times Square, em Nova York, no sábado à noite, parece ter sido coordenado por várias pessoas em um complô internacional. Pela primeira vez, a Casa Branca descreveu o caso como um “ataque terrorista”. “Sobre qualquer um que tenha o tipo de material que eles tinham num carro na Times Square, eu diria que a intenção era a de aterrorizar, com certeza”, disse Robert Gibbs, porta-voz da Casa Branca. “E eu diria ainda que qualquer um que fez aquilo deve, sim, ser qualificado como terrorista.”

Quarta-feira, 5 de maio – O paquistanês naturalizado americano Faisal Shahzad foi indiciado pela tentativa de explodir um carro-bomba na Times Square no sábado, enquanto vários parentes e amigos dele foram presos no Paquistão por envolvimento no atentado. Shahzad, de 30 anos, foi preso na noite de segunda-feira quando tentava fugir do país, em um voo para Dubai.

Quinta-feira, 6 de maio – Grã-Bretanha decide numa eleição imprevisível quem será seu novo chefe de governo. Separados por diferenças ideológicas tênues, os líderes conservador, David Cameron, e trabalhista, Gordon Brown, protagonizam a eleição mais disputada da história recente do país. O que está em jogo é a definição de quem será encarregado de tirar a economia da estagnação, do déficit público e das dívidas causadas pela crise financeira.

Sexta-feira, 7 de maio – Pesquisas de boca de urna indicaram que o atual primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, terá o direito de tentar se manter no poder negociando um governo de coalizão entre trabalhistas e liberais. Segundo levantamento contratado pelas três maiores emissoras de TV do país – BBC, Sky e ITV – e divulgado pouco depois da votação, o Partido Trabalhista elegerá 255 deputados, que, se aliados aos 61 do Partido Liberal, ultrapassariam a bancada do Partido Conservador.

Sábado, 8 de maio – O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown, abriu mão de seu direito constitucional de negociar primeiro a convocação de um novo gabinete, autorizando o líder do Partido Conservador, David Cameron, a tentar formar um governo de coalizão. As discussões foram iniciadas com o chefe do Partido Liberal, Nick Clegg