Internacional

BIBLIOTECA VATICANA

Biblioteca do Vaticano deseja receber mais pesquisadores e acabar com fama de ‘secreta’

Para poder consultar os livros é necessário justificar a necessidade de 'tocar com as mãos' os delicados volumes e manuscritos

Redação Internacional

05 Janeiro 2016 | 11h39

CIDADE DO VATICANO – Não há nada secreto, não há nada inacessível e não se parece em nada com um romance de Dan Brown, explicam rapidamente os responsáveis pela Biblioteca Vaticana, que querem atrair mais pesquisadores para explorar os milhões de documentos do arquivo dos papas.

A Biblioteca Apostólica Vaticana – com seus 1.600.000 livros, 8.400 deles incunábulos (livros impressos nos primeiros tempos da imprensa com tipos móveis, não escritos à mão), e outras centenas de milhares de estampas, fotografias e desenhos que a tornam uma das maiores e mais fascinante do mundo – quer acabar com sua fama de “secreta”.

“Está claro que não se pode deixar todo mundo entrar. Mas isso acontece em qualquer grande biblioteca importante, onde estão aguardados importantes volumes”, declarou a espanhola Angela Núñez Gaitán, diretora do departamento de restauração da Biblioteca Vaticana.

Foto: GIUSEPPE LAMI / Efe

Foto: GIUSEPPE LAMI / Efe

Para poder consultar tanto a Biblioteca Vaticana como o Arquivo Secreto do Vaticano, onde ficam guardados os documentos vinculados à Santa Sé e aos pontífices, é necessário reunir uma série de requisitos e justificar a necessidade de “tocar com as mãos” os delicados volumes e manuscritos.

“A grande diferença para o resto das obras de arte e objetos antigos é que o livro precisa ser tocado, é preciso virar suas páginas para que revelem sua beleza, e isso pode danificá-lo para sempre”, explicou Angela, que chefia um dos departamentos mais importantes da biblioteca. “Não pode ser apenas pelo fetichismo de ter um incunábulo nas mãos”, acrescentou ela, que tem a responsabilidade de conservar o valioso patrimônio pelos próximos anos.

A maioria dos documentos da Biblioteca Vaticana, assim como os que já foram desclassificados do Arquivo Secreto do Vaticano, foi digitalizada ou será em breve, podendo ser consultada na internet. Mesmo assim, seus corredores repletos de prateleiras estão abertos a qualquer consulta. “Gostaríamos que mais pessoas viessem à biblioteca”, afirmou a secretária Raffaella Vincenti.

Ela destacou que “existe um aumento” nos últimos anos dos pedidos para realizar consultas. “(Os livros) Estão abertos a todos os pesquisadores, para aqueles que estão fazendo tese de doutorado ou, em alguns casos, inclusive a universitários.”

Mas cada vez mais são menos os que pedem poder consultar um livro dos arquivos vaticanos nas duas salas de consultas disponíveis.

Setores. A mais austera é a da área dos manuscritos, onde em seu teto chama a atenção o escudo pontifício de Sisto V, o papa que encarregou o arquiteto Domenico Fontana de realizar um grandioso projeto de ampliação da então pequena biblioteca.

A área de consultas dos livros, a chamada Sala Leonina, construída em dois níveis, é imponente, adornada pela estátua de São Tomás de Aquino, uma das maiores figuras da teologia.

Como qualquer biblioteca, esta também tem suas “carteirinhas” para permitir o acesso. “No último ano emitimos quase 900 novas carteiras e renovamos outras 1.500”, declarou Raffaella, acrescentando que em 2015 14 mil leitores entraram nas salas de estudo – uma média de 74 pessoas por dia.

Os estudiosos que chegam à Biblioteca Vaticana vêm de todo o mundo, em sua maioria de Itália e Estados Unidos, seguidos por franceses, alemães e espanhóis.

Para aqueles que não têm as carteirinhas, a biblioteca organiza exposições como a que promoveu após sua restauração em 2010, depois de três anos de fechamento. Na ocasião, foi exposta para todos os visitantes sua peça mais valiosa e antiga: dois dos papiros de Bodmer (o 14 e o 15), descobertos no Egito em 1952, datados entre os anos 170 e 220 depois de Cristo, que contêm parte dos Evangelhos de São Mateus e de São João.

Para aqueles que conseguem entrar, outra joia a explorar é a cafeteria da biblioteca, construída respeitando os destroços da fonte que o arquiteto renascentista Donato Bramante tinha projetado para um dos pátios do palácio vaticano. /EFE