Citgo, uma ponte vital entre EUA e Venezuela
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Citgo, uma ponte vital entre EUA e Venezuela

Empresa petroleira controlada por Caracas processa 750 mil barris de petróleo por dia, o que equivale a quase 4% da capacidade total de refino dos EUA; Washington teme possibilidade de estatal russa assumir o controle da Citgo no caso de default da PDVSA

Redação Internacional

16 Novembro 2017 | 16h03

WASHINGTON – Apesar da relação conflituosa entre Caracas e Washington, a Venezuela é um ator importante nos Estados Unidos, onde a Citgo, filial da petroleira venezuelana PDVSA, possui suas próprias refinarias e oleodutos.

+ The Economist: O calote da Venezuela é apenas uma questão de tempo

A PDVSA adquiriu 50% das ações da Citgo em 1986 da Southland Corp, que agora é conhecida como a rede de lojas 7-eleven. O restante das ações foi comprado em 1990, oito anos antes de Hugo Chávez ser eleito presidente da Venezuela.

A Citgo, filial da petroleira venezuelana PDVSA, responde por quase 4% da capacidade total de refino de petróleo dos EUA (REUTERS/Eduardo Munoz)

A Citgo, filial da petroleira venezuelana PDVSA, responde por quase 4% da capacidade total de refino de petróleo dos EUA (REUTERS/Eduardo Munoz)

A Citgo foi fundada em 1910 sob o nome de Cities Service, e possui três refinarias de petróleo nos Estados do Texas, Louisiana e Illinois.

Essas três instalações têm uma capacidade acumulada para processar 750 mil barris por dia, o que equivale a quase 4% da capacidade total de refino dos EUA. No total, as três usinas empregam cerca de 4.000 pessoas.

Venezuela e seu default parcial em quatro perguntas

A Citgo também possui três oleodutos e tem ações em outros três. É proprietária de 48 terminais de petróleo e opera através dos 5.600 postos de combustível em todo o país que funcionam por meio de um sistema de franquia.

Em 2015, PDVSA tentou vender a Citgo mas não conseguiu encontrar um comprador.

O segmento de refino é um componente importante da crise atual atravessada na PDVSA, uma vez que, em um esforço de reestruturar sua dívida em 2016, ofereceu 50,1% das ações da Citgo como garantia em caso de default.

Essa garantia incomoda os Estados Unidos e os legisladores americanos já pressionaram o presidente Donald Trump a tomar precauções para evitar que a petroleira estatal russa Rosneft assumia o controle dos ativos da Citgo no caso de um default da PDVSA, uma vez que a Rosneft possui uma parcela significativa das dívidas da empresa.

Estratégia de Caracas é reflexo da gravidade da crise venezuelana

A Citgo doou US$ 500.000 para a cerimônia de posse de Trump em janeiro deste ano, e dessa forma a empresa foi responsável por uma das 20 maiores contribuições, de acordo com documentos oficiais da campanha eleitoral.

Outras empresas que doaram esse volume de dinheiro foram Microsoft, o banco JP Morgan e os gigantes do petróleo Exxon e Chevron. / AFP