EUA emitem alerta contra Irã por teste de míssil e ataque a navio saudita
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA emitem alerta contra Irã por teste de míssil e ataque a navio saudita

Governo Trump acusa iranianos de violar acordo sobre programa nuclear do país e vê indícios de que pacto firmado por Obama encorajou Teerã a praticar ações ‘desestabilizadoras’ no Oriente Médio; presidente americano promete reverter negociação

Redação Internacional

01 Fevereiro 2017 | 21h14

Cláudia Trevisan
Correspondente / Washington

O governo Donald Trump “advertiu oficialmente” o Irã nesta quarta-feira, 1º, em uma resposta ao primeiro teste de um míssil balístico pela república islâmica desde o início da nova administração dos EUA. Segundo a Casa Branca, a ação representa uma violação do acordo sobre o programa nuclear iraniano e é um indício de que o documento encorajou Teerã a praticar ações que Washington considera desestabilizadoras.

 

IRN01 TEHERÁN (IRÁN), 01/02/2017.- Fotografía facilitada por la web oficial de Presidencia iraní, que muestra al presidente de Irán, Hasán Rohaní (i), durante su visita a un exposición donde se exhiben los logros en la carrera espacial iraní, con motivo del Día Nacional del Espacio y la Tecnología, en Teherán, Irán, hoy, 1 de febrero de 2017. Rohaní dijo hoy que el veto temporal estadounidense a los nacionales de siete países de mayoría musulmana se debe a que el presidente Donald Trump es

Presidente iraniano visita exposição de tecnologia espacial em Teerã. Foto: Presidência do Irã/EFE

Entre elas, Washington mencionou ataque a um navio da Arábia Saudita praticado por rebeldes do Iêmen financiados pelo governo iraniano. “O governo Trump condena essas ações do Irã que enfraquecem a segurança, a prosperidade e a estabilidade ao redor do Oriente Médio e colocam a vida de americanos em risco”, afirmou o chefe do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Michael Flynn, numa intervenção incomum, em meio a uma entrevista do porta-voz, Sean Spicer.

O general também reiterou os ataques à negociação com o Irã conduzida pela gestão anterior, que se transformou em uma das principais apostas na política externa de Barack Obama. Concluída em 2015, ela permitiu o levantamento de sanções contra o Irã em troca de restrições a seu programa nuclear. Além dos EUA, o acordo foi firmado por Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha.

“O presidente Trump criticou de maneira severa os vários acordos alcançados entre o Irã e o governo Obama, bem como as Nações Unidas, como sendo fracos e ineficazes.” Em discurso feito há quase um ano, o atual presidente disse que sua prioridade na Casa Branca seria “desmantelar o desastroso acordo com o Irã”.

Em outras declarações, Trump defendeu a renegociação dos termos do acordo ou a execução mais rigorosa das penalidades previstas atualmente. “Em vez de ser grato aos Estados Unidos por esses acordos, o Irã está agora se sentindo encorajado”, afirmou Flynn.

Assim que o general deu suas declarações, integrantes do governo Obama saíram em defesa do tratado. “O acordo não tinha o objetivo de fazer com que o Irã ‘ficasse grato aos EUA’. Sua intenção era desmontar o programa nuclear do Irã de maneira pacífica e foi o que ele fez”, escreveu no Twitter Ben Rhodes, um dos principais assessores de Obama.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas reuniu-se na terça-feira a pedido dos EUA para discutir o teste, cuja realização foi confirmada hoje por Teerã.

Na segunda-feira, uma autoridade dos EUA disse que o Irã fez um teste de lançamento de um míssil balístico de médio alcance que explodiu depois de percorrer 1.010 quilômetros no domingo. A embaixadora dos EUA na instituição, Nikki Haley, disse que o teste iraniano é “inaceitável”. A ação do Irã será analisada por um dos comitês do Conselho de Segurança da ONU.

O governo iraniano disse que a ação não viola o tratado sobre seu programa nuclear. “O recente teste está em linha com nossos planos e nós não vamos permitir que estrangeiros interfiram em nossas questões de defesa”, disse o ministro da Defesa, Hossein Dheghan, de acordo com a agência de notícias Tasnim.

O país argumentou que o míssil não tinha capacidade de receber ogivas nucleares. Em declarações reproduzidas pela agência de notícias estatal Irna, o chefe do Conselho de Segurança Nacional iraniano, Ali Shamkhani, disse que seu país não buscaria autorização para desenvolver seu arsenal de defesa convencional.

Ainda hoje, o presidente do Irã, Hassan Rohani, criticou a recente ordem executiva da Trump proibindo a entrada nos EUA de cidadãos de sete países, entre eles o Irã. Para Rohani, Trump e sua equipe são “novatos” que “não entendem de política”.
PARA LEMBRAR: No dia 14 de julho de 2015, o então presidente americano, Barack Obama, anunciou um acordo histórico entre o Irã e as grandes potências globais – EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha. Segundo o documento, firmado em Viena, na Áustria, o Irã concordou em limitar seu programa nuclear e aceitou as inspeções da ONU em troca da suspensão das sanções internacionais e do descongelamento de ativos no exterior. O acordo de 159 páginas foi o resultado de uma década de discussões diplomáticas para impedir que o Irã desenvolvesse uma bomba atômica.

Mais conteúdo sobre:

Donald TrumpIrãnuclear