‘Lindos, novos e inteligentes’: os mísseis que os EUA pretendem usar na Síria
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Lindos, novos e inteligentes’: os mísseis que os EUA pretendem usar na Síria

Presidente americano, Donald Trump, promete usar melhores mísseis dos EUA contra alvos sírios em retaliação a suposto ataque químico nos arredores de Damasco; embarcações americanas no Mediterrâneo estão equipadas com Tomahawks

Redação Internacional

11 Abril 2018 | 10h56

Ao alertar a Rússia sobre o iminente ataque americano a alvos na Síria, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira, 11, que usará mísseis ‘lindos, novos e inteligentes’.

Análise: A crise e os riscos de uma escalada militar

De acordo com as informações disponíveis até o momento, no entanto, tanto o destroier USS Donald Cook quanto o USS Porter, ambos posicionados no Mar Mediterrâneo e em condições de atacar alvos na Síria, estão carregados com cerca de duas dúzias de mísseis Tomahawk cada.

EUA lançaram mísseis Tomahawk em 2017 contra base aérea síria; embarcações em condições de ataque no Mediterrâneo estão equipadas com o mesmo armamento (Robert S. Price/Courtesy U.S. Navy/Handout via REUTERS)

EUA lançaram mísseis Tomahawk em 2017 contra base aérea síria; embarcações em condições de ataque no Mediterrâneo estão equipadas com o mesmo armamento (Robert S. Price/Courtesy U.S. Navy/Handout via REUTERS)

Esse é o mesmo armamento usado pelos EUA no ano passado, quando 59 mísseis foram disparados contra uma base aérea também na Síria. Os Tomahawk são uma arma estratégica para quando o Pentágono quer atacar de longa distância. Essa arma, que integra o arsenal bélico dos EUA desde a Guerra do Golfo em 1991, pode carregar até 453 kg de ogivas.

O Tomahawk, uma das armas mais avançadas do arsenal americano, é um míssil de 5,53 metros de comprimento e 53 centímetros de diâmetro, que voa a 919 km/h e, em sua versão convencional, pode alcançar um alvo situado a 576 quilômetros de distância.

Ataque químico afetou 500 pessoas na Síria, diz OMS

Uma das maiores vantagens do Tomahawk é que ele não requer um piloto: pode ser lançado de bases navais, o que é estratégico quando se enfrenta as defesas antiaéreas dos inimigos. O preço de cada um se situa entre US$ 1 milhão e US$ 1,4 milhão, segundo estimativas da imprensa americana.

Outras opções

No momento, o Pentágono não conta com nenhum porta-aviões posicionado na região, o que limita as opções de ataque dos EUA.

Uma opção seria utilizar a embarcação de transporte anfíbio USS New York, também nas imediações, de onde poderiam partir helicópteros com tropas e embarcações com Marines. O uso de tropas americanas em solo americano, no entanto, é visto como uma das mais improváveis opções por especialistas.

Mais conteúdo sobre:

Estados UnidosDonald TrumpTomahawk