As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Maduro faz primeiro vídeo ao vivo no Facebook e é insultado por internautas

Presidente fez transmissão para impulsionar campanha à reeleição, mas foi questionado sobre a situação de crise no país

Redação Internacional

29 Janeiro 2018 | 10h39

CARACAS – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tentou alavancar sua campanha política à reeleição fazendo sua primeira transmissão ao vivo pelo Facebook, mas foi insultado por internautas que criticavam sua gestão e o estado de crise do país. Acompanhado da mulher, Cilia Flores, Maduro comemorou que cerca de 14 mil pessoas acompanhavam seu live.

+ Análise: Eleição venezuelana é uma péssima notícia para a democracia

O presidente enviou saudações aos internautas, “aos nossos amigos e aos que não nossos amigos”, e tentou rebater críticas que eram enviadas ao longo da transmissão. Uma delas foi a frase “a Venezuela tem fome”. Em resposta, Maduro afirmou: “fome de justiça, de igualdade, de anti-imperialismo”.

+ FMI estima contração de 15% da economia venezuelana e inflação de 13.000%

Durante a maior parte dos 12 minutos da transmissão, o presidente falou sobre a Venezuela e as virtudes dos venezuelanos. Ele informou que estava estruturando uma equipe de campanha para a eleição presidencial, que foi antecipada pela Assembleia Constituinte do fim do ano para o primeiro semestre, até o dia 30 de abril. Maduro já tem logo e slogan para a campanha, que devem ser usados nos primeiros comícios.

As perguntas enviadas ao presidente durante o live questionavam a crise econômica, o desabastecimento de alimentos e a grave situação sanitária no país. Alguns internautas chamavam Maduro de ditador nas mensagens.

O vídeo da transmissão ao vivo teve 18 mil compartilhamentos e mais de 2 milhões de visualizações, com 214 mil comentários. No balanço da rede, Maduro não se saiu muito bem. A publicação tinha, até a manhã desta segunda-feira, 29, 81 mil reações “não gostei”, 15 mil “curti” e 5,6 mil “amei”.