As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Na França, Dominique Strauss-Kahn vira moda

Cristiano Dias

05 Maio 2010 | 15h09

Fruto do acaso ou de uma estratégia bem pensada? Dominique Strauss-Kahn está em todos os lugares. Nesta quarta-feira, o ex-diretor do FMI, carinhosamente chamado de DSK, aparece na capa de vários jornais e revistas da França e é, mais do que nunca, o favorito dos socialistas para tomar o cargo de Nicolas Sarkozy, em 2012. “Eleição presidencial: o dia que DSK se decidiu”, foi o título do jornal Libération, que conta os passos de Strauss-Kahn rumo à presidência.

Nas bancas, o rosto de DSK também estampa a capa da revista L’Express, que fala sobre os atributos do economista: “Os segredos de um presidenciável”, é o título da reportagem. Ao jornal Le Parisien, o ex-diretor do FMI concedeu uma longa entrevista, também publicada na quarta, em que posa de bom administrador. “Temos de evitar o contágio da crise grega”, disse.

O semanário Le Canard Enchaîné também dedicou um artigo a Strauss-Kahn, lembrando que a revista americana Time o considerou o sétimo homem mais influente do mundo. De acordo com pesquisa publicada pela revista Nouvel Observateur, DSK seria o candidato do Partido Socialista se a eleição fosse hoje: ele teria 49% da preferência dos eleitores, enquanto Martine Aubry teria 16%.

De agora até o fim do ano, e ainda nos primeiros meses de 2011, cinco livros devem ser lançados sobre Strauss-Kahn, que certamente continuará a povoar o imaginário dos franceses por um bom tempo. (Le Parisien)