Os piores ataques de atiradores nos EUA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os piores ataques de atiradores nos EUA

Pelo menos 312 pessoas foram mortas e outras centenas feridas nos piores casos desde 1966; EUA registram um ataque com arma de fogo a cada duas semanas, em média, segundo levantamento do jornal 'USA Today', com base em dados do FBI

Redação Internacional

24 Julho 2015 | 11h49

(Atualizado em 2/10/17 às 10h30)

Com ao menos 50 mortos e mais de 400 feridos, o ataque a tiros ocorrido em um festival de música country em Las Vegas, no domingo, é o mais grave registrado na história recente dos EUA. Stephen Paddock, de 64 anos, foi identificado como o autor dos disparos. Ele estava no 32º andar do hotel Mandalay Bay, de onde atirou em direção à multidão.


Até então, o ataque a tiros com maior número de vítimas nos EUA havia sido o da casa noturna Pulse, em Orlando, na Flórida, onde 49 pessoas foram mortas em junho de 2016, seguido pelo ataque na faculdade Virginia Tech, em 2007, que deixou 32 mortos.

Agentes do FBI examinam estacionamento da casa noturna Pulse em busca de pistas do ataque (REUTERS/Adrees Latif)

Agentes do FBI examinam estacionamento da casa noturna Pulse em busca de pistas do ataque (REUTERS/Adrees Latif)

De acordo com um levantamento do jornal USA Today, com base em dados do FBI, ataques com armas de fogo são registrados nos EUA a cada duas semanas, em média.

Relembre os principais ataques a tiros nos EUA, antes do massacre em Las Vegas:

– 49 mortos – 12 de junho de 2016, na Flórida, em Orlando, Flórida. O atirador Omar Mateen, americano e filho de afegãos, abriu fogo contra o público da casa noturna LGBT Pulse, em Orlando, na Flórida. No total, 49 pessoas foram mortas e 53 ficaram feridas. Ele foi morto em tiroteio com a polícia. Em três ligações ao serviço de emergência, que duraram 28 minutos no total, Mateen declarou lealdade ao Estado Islâmico, pediu o fim dos bombardeios americanos contra o grupo no Iraque e na Síria e disse que vestia um colete enquanto mantinha reféns na boate. Testemunhas revelaram que ele já havia sido visto frequentando festas na Pulse.

– 32 mortos – 16 de Abril de 2007, Virginia Tech, em Blacksburg, Virginia. O estudante sul-coreano Seung-Hui Cho, de 23 anos, abre fogo no em dois locais do campus da universidade, matando 32 pessoas e ferindo um grande númeero de pessoas. Seung-Hui Cho cometeu suicídio depois do ataque

– 27 mortos – 14 de dezembro de 2012, Escola primária de Sandy Hook, em Newtown, Connecticut. Adam Lanza, de 20 anos, mata 20 crianças com idades entre seis e sete anos, além de outros 6 funcionários da escola antes de se matar. Durante a investigação, a polícia encontra Nancy Lanza, a mãe de Adam, morta com um tiro.

– 23 mortos – 16 de outubro de 1991, em Killeen, Texas. George Hennard, de 35 anos, invade uma cafeteria da rede Lubys com sua picape. Ao sair do veículo, Hennard mata 23 pessoas a tiros e comete suicídio.

– 21 mortos – 18 de julho de 1984, em San Ysidro, Califórnia. James Huberty, de 41 anos, armado com uma submetralhadora Uzi de cano longo, uma espingarda e um revólver invade uma unidade do McDonalds e mata 21 pessoas, entre adultos e crianças. Um atirador de elite da polícia mata Huberty uma hora depois do início do ataque na lanchonete

– 18 mortos – 1º de agosto de 1966, em Austin, Texas. Charles Joseph Whitman, um ex-fuzileiro naval dos Estados Unidos, mata 16 pessoas e fere pelo menos outras 30 ao atirar a partir de uma torre na Universidade do Texas. Os policiais Ramiro Martinez e Houston McCoy consegue matar Whitman. O atirador também executou sua mãe e sua mulher antes do massacre na universidade

– 14 mortos – 20 de agosto de 1986, em Edmond, Oklahoma. O carteiro Patrick Henry Sherrill, armado com três pistolas, mata 14 funcionários dos correios em menos de 10 minutos e depois se mata com um tiro na cabeça

– 14 mortos – 2 de dezembro de 2015, em San Bernardino, Califórnia. Casal armado vestindo roupas camufladas e portando fuzis de assalto e granadas entra em um centro de assistência a pessoas com necessidades especiais. Syed Rizwan Farook e Tashfeen Malik matam 14 pessoas e deixam 14 feridas. Ambos foram mortos em confronto com policiais.

– 13 mortos – 5 de novembro de 2009, em Fort Hood, Texas. O major e psiquiatra do Exército Nidal Malik Hasan mata 13 pessoas e fere outras 32 na base do Exército em Fort Hood. Em agosto de 2013, o atirador foi condenado à morto por uma corte marcial

– 13 mortos – 20 de abril de 1999, Escola de Ensino Médio de Columbine, Littleton, Colorado. Neste caso, conhecido como Massacre de Columbine, os estudantes Eric Harris, de 18 anos, e Dylan Klebold, de 17 anos, mataram 12 alunos e 1 professor da escola antes de cometerem suicídio na biblioteca do local

– 13 mortos – 18 de fevereiro de 1983, em Seattle. Três homens entram no clube Wah Mee, em Seattle, roubam 14 pessoas e atiram na cabeça de todas, matando 13. Dois dos invasores, Kwan Fai Mak e Benjamin Ng, foram condenados por homicídio em agosto de 1983 e cumprem prisão perpétua. O terceiro atirador, Wai-Chiu “Tony” Ng, depois de passar anos foragido no Canadá, foi condenado roubo e agressão e deportado para Hong Kong em 2014

– 13 mortos – 25 de Setembro de 1982, na Pensilvânia. O agente penitenciário George Banks matou 13 pessoas, incluindo 5 de seus filhos. Em setembro de 2011, a Suprema Corte da Pensilvânia cancelou a pena de morte, alegando que Banks é mentalmente incapaz

– 12 mortos – 16 de setembro de 2013, em Washington D.C. Um homem mentalmente perturbado, segundo a investigação, atirou e matou 12 pessoas próximo à sede da Marinha dos EUA. Ele foi identificado como Aaron Alexis, trabalhador da construção civil, que foi morto em tiroteio com a polícia.

Mais conteúdo sobre:

atiradorEUA