As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

PARA LEMBRAR: Imolação deu início a revoltas

Redação Internacional

28 Outubro 2011 | 15h08

Em dezembro, um jovem tunisiano que apesar do grau universitário não havia conseguido emprego na área que estudou e vendia frutas para sustentar a numerosa família se imolou em Sidi Bouzid, na Tunísia, após ter seu carrinho confiscado. Sua morte provocou protestos no país e, após uma semana, o presidente Zine al-Abidine Ben Ali fugiu para a Arábia Saudita.

Dias depois, a Praça Tahrir, no Cairo, convertia-se no palco de manifestações em que milhares de egípcios desafiavam o governo. Em menos de um mês, o presidente Hosni Mubarak, aliado estratégico de Washington, era varrido do poder.

As revoluções se espalharam do Iêmen à Jordânia, do Bahrein à Síria, da Arábia Saudita ao Irã. Exatos três meses após a imolação na Tunísia, a ONU autorizava uma intervenção na Líbia, que culminou na morte do ditador Muamar Kadafi.