As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Peru – Cronologia

Veja os principais fatos da história recente do país

Redação Internacional

10 Abril 2016 | 05h00

1980
Peru elege um civil, Fernando Belaúnde, depois de 12 anos de ditadura; Sendero Luminoso inicia luta armada

1990
Mais de 3 mil assassinatos políticos são relatados; em abril, Alberto Fujimori (à esq.) usa plataforma anticorrupção para vencer Mario Vargas Llosa na disputa presidencial; são lançados programas severos de austeridade e privatização após inflação passar dos 400%

1992
Dois anos depois de eleito, Fujimori suspende a Constituição e aplica um “autogolpe” com apoio do Exército; Abimael Guzmán , líder do Sendero, é preso e condenado à prisão perpétua; novo Parlamento unicameral é eleito

2000
Fujimori se apresenta como candidato à presidência sem renunciar ao mandato que exercia e, apesar das acusações de fraude, é reeleito no 2º turno após Alejandro Toledo desistir da disputa; em novembro, viaja para Brunei e de lá para o Japão, de onde renuncia por fax; Valentín Paniagua, líder do Legislativo, assume interinamente

2001
Fujimori se apresenta como candidato à presidência sem renunciar ao mandato que exercia e, apesar das acusações de fraude, é reeleito no 2º turno após Alejandro Toledo desistir da disputa; em novembro, viaja para Brunei e de lá para o Japão, de onde renuncia por fax; Valentín Paniagua, líder do Legislativo, assume interinamente

2003
Cerca de um ano e meio após sua criação, a Comissão da Verdade e Reconciliação conclui que durante os 20 anos de combate ao Sendero Luminoso pelo menos 69.280 pessoas foram mortas nos confrontos armados ou em atrocidades cometidas pela guerrilha

2005
O ex-presidente Alberto Fujimori é preso no Chile depois de desembarcar de voo vindo do Japão, onde estava autoexilado; processo de extradição é iniciado por Lima em novembro

2007
Fujimori é extraditado em setembro ao Peru para ser julgado pelas acusações de corrupção e violação de direitos humanos; dois meses depois é levado a julgamento pela morte de 25 pessoas em ação de esquadrão da morte. Em caso separado, é condenado a 6 anos por ordenar, ilegalmente, buscas em um apartamento. Dois anos mais tarde, também é condenado a 25 anos de prisão por ordenar que suas forças de segurança cometessem sequestros e assassinatos

2011
Ollanta Humala derrota Keiko Fujimori, advogada e filha do ex-presidente, e assume a presidência; dois anos depois, ele rejeitaria pedido de perdão para Alberto Fujimori

2016
Meses antes da eleição, Justiça exclui duas candidaturas: do milionário César Acuña, que entregou dinheiro a eleitores durante campanha, e a de Julio Guzmán, que descumpriu normas administrativas nas primárias do partido