Retrospectiva: Após ano favorável, Xi Jinping deve enfrentar grandes desafios em 2017
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Retrospectiva: Após ano favorável, Xi Jinping deve enfrentar grandes desafios em 2017

Presidente chinês foi promovido a ‘líder central’ do Partido Comunista e deu andamento a projetos como a aprovação de uma lei antiterrorista e uma de cibersegurança

Redação Internacional

13 Dezembro 2016 | 14h59

PEQUIM – O presidente da China, Xi Jinping, encerra um ano que lhe foi favorável tanto em âmbito interno, ao ser promovido a “líder central” do Partido Comunista, como regional, graças ao apoio de países vizinhos, o que provocou um estímulo para enfrentar os grandes desafios de 2017.

Secretário-geral do Partido Comunista da China (PCCh), presidente das comissões que controlam o Exército e as reformas, e declarado em outubro “líder central” da legenda única, Xi já ostenta um poder teoricamente equiparável ao de governantes históricos como Mao Tsé-tung. Embora na dinastia comunista a quantidade de cargos nem sempre seja sinônimo de poder, Xi se proveu de uma série de campanhas e leis que enfatizam sua autoridade e suprimiram liberdades.

O ano de 2016 começou dias após a aprovação da primeira lei antiterrorista do país. Depois, Xi deu sinal verde a uma lei polêmica para controlar mais as ONGs e avançou com a aprovação em julho de outra medida de segurança nacional, que restringe áreas como finanças, ideologias e religiões.

A China ainda deu consentimento em novembro a uma lei de cibersegurança muito criticada pelos setores empresarial e de direitos humanos, este último afetado em um ano de detenções, julgamentos e penas contra advogados e ativistas. Ao mesmo tempo, Xi reforçou a campanha anticorrupção após a plenária de outubro do Comitê Central do PCCh – reunião que o elevou a “líder central” – a aprovar dois documentos que enfatizam que ninguém terá imunidade, embora os especialistas acreditem que o alvo é a oposição ao presidente.

Contudo, talvez os acontecimentos mais inesperados tenham chegado de fora. A eleição de Rodrigo Duterte como presidente das Filipinas deu uma reviravolta favorável a Pequim no equilíbrio regional de poderes, depois que o líder polêmico defendeu em outubro uma aproximação com a China e um afastamento dos então aliados EUA.

A “guinada” em direção à China feita por Duterte, que estacionou uma decisão do Tribunal internacional de Haia a favor das Filipinas sobre o litígio que ambos os países mantêm por territórios do Mar da China Meridional, teve em seguida seu eco na região, com países como Malásia, Brunei, Vietnã e Taiwan em disputas similares com Pequim.

Essa postura foi imitada pouco depois pela Malásia, que se aproximou da China ao assinar um inédito acordo de defesa com Pequim em novembro, antes de um acontecimento de grande repercussão na região: a vitória do republicano Donald Trump nas eleições americanas.

A decisão de Trump de retirar os EUA do TPP (Tratado Transpacífico), que não inclui a China, dá uma oportunidade a Pequim de se transformar em líder do livre-comércio na região Ásia-Pacífico. No entanto, a consolidação da China como grande potência regional pode falhar caso Trump reforçe a presença militar dos EUA, conforme alertam alguns especialistas. “Trump apostará em uma política militarista mais forte na Ásia-Pacífico”, analisou Zhao Hai, do Instituto de Estratégia Nacional da Universidade de Tsinghua.

Este não é o único desafio de Xi. A incerteza sobre o rumo a ser tomado pelos EUA e a paralisação das reformas econômicas internas se juntam à luta pelo poder às vésperas do 19º Congresso do Partido Comunista, que será realizado em 2017, no meio do mandato (inicialmente de 10 anos), e no qual haverá uma crucial substituição nos principais órgãos do partido.

No entanto, Xi tem a capacidade de veto em razão do status de “líder central”, segundo normas não escritas do Partido, e conta com a campanha anticorrupção para amedrontar os oponentes, o que contribui para colocar aliados na primeira fila e blindar ainda mais seu poder.

Na opinião de Perry Link, professor de Estudos Asiáticos da Universidade de Princeton, nos EUA, “o fato de Xi, ao contrário de Mao, que não se reivindicou como líder central, ter que exigir sê-lo, mostra que outros não o veem assim”. “Além disso, ele revela sua própria insegurança. O termo é dirigido ao Partido, especialmente aos cargos mais altos. Está preocupado com eles.” / EFE