Veja o que se sabe sobre o furacão Irma
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Veja o que se sabe sobre o furacão Irma

O fenômeno continua atingido a Flórida nesta segunda-feira, onde ventos violentos e intensas chuvas deixaram 3 mortos, após causar ao menos 37 mortes em sua passagem pelo Caribe

Redação Internacional

11 Setembro 2017 | 16h29

O furacão Irma continua atingido a Flórida nesta segunda-feira, 11, onde ventos violentos e intensas chuvas deixaram 3 mortos, após causar ao menos 37 mortes em sua passagem pelo Caribe.

Este gigantesco fenômeno do tamanho do Texas foi rebaixado à categoria de tempestade tropical após tocar a terra na costa oeste da Flórida, nos Estados Unidos, com ventos de 135 km/h.

O furacão Irma oscilou entre a categoria 5, a mais alta na escala de intensidade dos ciclones tropicais, e a categoria 2, com ventos sustentados entre 240 e 295 km/h, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês).

O Irma, que surgiu no fim de agosto diante da costa africana e chegou na quarta-feira às Antilhas, superou o recorde do tufão Haiyan de 2013, nas Filipinas, ao gerar ventos de 295 km/h durante mais de 33 horas, contra as 24 horas do fenômeno filipino.


Segundo as declarações dos governos envolvidos, o balanço provisório é de 40 mortos: 10 na parte francesa de Saint Martin e em Saint Barthélemy, 6 nos territórios britânicos de ultramar, 4 nas Ilhas Virgens americanas, 4 na parte holandesa de Saint Martin, 2 em Porto Rico, 3 na Flórida, 1 em Barbuda e 10 em Cuba.

Prédios destruídos na Ilha de Saint-Martin após a passagem do Irma. Foto: Martin Bureau/AFP

Estados Unidos

Irma provocou no domingo as suas primeiras vítimas no sul e no oeste da Flórida, com três pessoas mortas em acidentes de carro provocados pelos fortes ventos e pelas intensas chuvas.

O furacão, que ganhou força durante a noite, passando para categoria 4, atingiu no domingo pela manhã a ilha de Key West, no extremo sul da Flórida, com ventos de 215 km/h.

À tarde, rebaixado à categoria 2, tocou a terra na costa oeste desse Estado. Nesta segunda-feira de manhã, seu centro estava a 40 km a nordeste de Tampa. Irma se dirigia para norte/noroeste a 24 km/h e deveria enfraquecer e cair para a categoria de tempestade tropical conforme avançar para o norte da Flórida e sul da Geórgia nesta segunda.

No total, 6,3 milhões de habitantes receberam a ordem de retirada na Flórida, onde Trump declarou estado de catástrofe natural, permitindo o desbloqueio de fundos federais. O estado de emergência estava em vigor na Flórida, Geórgia, Carolina do Sul e Virgínia.

Bahamas e Cuba

O Irma passou na sexta-feira pelo sudeste das Bahamas e não deixou vítimas ou danos.

Cuba sofreu o impacto de Irma no sábado às 3h GMT (zero hora de Brasília) com rajadas de vento estimadas em 260 km/h, segundo o NHC. Segundo autoridades, dez pessoas morreram eletrocutadas, afogadas ou em queda de edifícios. “Afetou gravemente” as províncias de Camagüey e de Ciego de Ávila, de acordo com as autoridades. Os Keys, as ilhas turísticas que beiram o litoral, permaneciam isoladas do mundo no sábado à noite.

Chuvas de forte intensidade atingiram Cuba durante horas antes da chegada de Irma. Um milhão de pessoas foram retiradas de suas casas por precaução e o fornecimento de energia foi interrompido de maneira preventiva, segundo as autoridades.

Ruas alagadas de Havana após passagem do Irma. Foto: Yamil Lage/AFP

Haiti

No Haiti, a passagem do furacão causou inundações e deixou vários feridos no nordeste do país, informou o serviço de Proteção Civil. O furacão passou um pouco mais ao norte do que o previsto, o que fez o impacto no país, um dos mais pobres do mundo, menor do que o esperado.

República Dominicana

Na quinta-feira, o furacão começou a atingir a República Dominicana. Os ventos de 285 km/h e as chuvas obrigaram a retirada de quase 20 mil pessoas. Ao menos 2.135 casas ficaram danificadas.

Porto Rico

O furacão atingiu a parte norte de Porto Rico na manhã de quinta-feira, com ventos de até 295 km/h, que provocaram cortes no fornecimento de energia elétrica e fortes chuvas. Pelo menos duas pessoas morreram e mais da metade da população de 3 milhões de habitantes ficou sem eletricidade.

Ilhas Virgens americanas e britânicas

Pelo menos quatro pessoas morreram nas Ilhas Virgens americanas depois da passagem do furacão, e provocou grandes danos materiais. Nas ilhas britânicas, o governo local anunciou um balanço de cinco mortes.

Saint Barthélemy, Saint Martin e Anguilla

O furacão atingiu a ilha francesa de Saint Barthélemy, e depois Saint Martin, que inclui uma parte francesa e outra holandesa, na quarta-feira. De acordo com o serviço de meteorologia francês, os ventos alcançaram os 360 km/h.

Dez pessoas perderam a vida na zona francesa de Saint Martin e quatro na parte holandesa. Os danos são enormes e Paris e Haia denunciaram saques. A França enviou milhares de militares para a região para ajudar a conter a violência.

Os danos provocados em Saint Barthélemy e na parte francesa de Saint Martin foram avaliados em € 1,2 bilhão. No arquipélago britânico de Anguilla, um homem morreu no desabamento de uma casa.

Barbuda

O Irma atingiu a ilha de Barbuda na madrugada da quarta-feira com ventos que alcançaram os 295 km/h, deixando um morto. O primeiro-ministro, Gaston Browne, disse que a ilha ficou “totalmente devastada”.

Outros dois furacões

Outro furacão, José, de categoria 4, avançava no sentido oeste. Mas ao contrário do que se previa, o núcleo passou a 135 km da ilha francesa de Saint Barthélemy e a 125 km da franco-holandesa Saint Martin, muito afetadas pela passagem do Irma, mas sobre o Atlântico se enfraqueceu e não ameaçou zonas habitadas.

Um terceiro furacão, Katia, provocou duas mortes no sábado no México antes de se enfraquecer e se converter em depressão tropical. / AFP

Mais conteúdo sobre:

Furacão IrmaCaribe