Reuters
Reuters

Atirador de Fort Hood será julgado por 13 assassinatos

Major Nidal Malik Hassan enfrentará um tribunal militar pelo massacre na maior base norte-americana

Efe,

12 Novembro 2009 | 17h26

O major Nidal Malik Hassan será julgado em um tribunal militar por assassinato premeditado no massacre na base do Exército americano em Fort Hood, no Texas, anunciou nesta quinta-feira, 12, a Promotoria.    

 

Veja também:

link Major acusado de abrir fogo em base militar tinha contato com clérigo radical

link Atirador de base dos EUA está vivo; mortos chegam a 13

link Muçulmano, major que abriu fogo temia envio à guerra

 

Hassan enfrentará 13 acusações, uma para cada pessoa morta no ataque de 5 de novembro. Segundo Christopher Grey, porta-voz do Departamento de Pesquisas do Exército, conforme avance a investigação policial podem ser acrescentados novos indiciamentos.

 

O psiquiatra de 39 anos será processado em um tribunal militar, terá um defensor militar de graça e poderá ser representado também por um advogado civil, pelo qual terá que pagar.

 

"Ainda achamos que só houve um agressor no local", disse o porta-voz. As autoridades decidiram julgar Hassan em um tribunal militar após concluírem que ele agiu sozinho e não fez parte de um complô com civis para atentar contra a base.

 

A pena de morte é uma opção possível, mas esse tipo de sentença é rara na Justiça militar americana, que não executou nenhum condenado nos últimos 50 manos.

 

A Casa Branca disse nesta quinta-feira, 12, em comunicado que abriu uma investigação sobre "como foi manejada e compartilhada a informação de inteligência (sobre Hassan) com as diferentes agências e departamentos, e as medidas tomadas".

 

A investigação, iniciada em 6 de novembro, dia seguinte ao tiroteio, busca esclarecer e trazer à tona todo o conteúdo dos arquivos do Governo sobre o tiroteio e, especialmente, Hassan.

Mais conteúdo sobre:
EUA TEXAS TIROTEIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.