1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Autópsia mostra que policial atirou seis vezes em jovem desarmado nos EUA

ELLEN WULFHORST - REUTERS

18 Agosto 2014 | 17h 39

Um jovem negro desarmado cuja morte por um policial branco desencadeou uma semana de manifestações e violência na cidade norte-americana de Ferguson, no Estado do Missouri, foi atingido por pelo menos seis balas, declarou um advogado da família da vítima nesta segunda-feira.

A trajetória de uma das balas indica que Michael Brown, de 18 anos, pode ter estado prestes a se abaixar e se render quando foi atingido pelo tiro fatal, disse o advogado, Daryl Parks.

Muitos detalhes da morte permanecem obscuros, e nem os policiais locais nem os federais divulgaram ainda seus próprios relatórios da autópsia.

Parks declarou que os resultados da autópsia revelaram claramente que o policial que matou Brown deveria ser preso. Ele apresentou os resultados em uma entrevista coletiva de imprensa mostrando que uma bala atingiu Brown “bem no topo da cabeça” e outra entrou por trás de sua cabeça e saiu perto de um olho.

“Sua cabeça estava em posição rebaixada”, disse Parks. “Dados esses fatos, este policial deveria ter sido preso”.

A família Brown e manifestantes de todos os Estados Unidos têm pedido a prisão do policial há dias, mas a polícia afirmou que Darren Wilson, de 28 anos, foi colocado em licença depois da morte de 9 de agosto.

O porta-voz da polícia do condado de St. Louis, Brian Schellman, não respondeu a uma indagação sobre o motivo de o policial não ter sido detido. O departamento está conduzindo uma investigação paralela à do Departamento de Justiça, que avalia possíveis violações de direitos civis na morte.

A ausência de uma prisão e a relutância do departamento de polícia em divulgar detalhes do incidente levaram milhares de manifestantes às ruas de Ferguson, subúrbio de St. Louis cuja população é majoritariamente negra.

Houve saques e vandalismo na esteira dos protestos. O governador do Missouri, Jay Nixon, convocou a Guarda Nacional para Ferguson nesta segunda-feira para restabelecer a calma.

No sábado, Nixon declarou estado de emergência na cidade e estabeleceu um toque de recolher da meia noite às 5h da manhã.

"Não usaremos um toque de recolher nesta noite", disse Nixon em um comunicado publicado em sua página na Internet.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve se reunir com o secretário da Justiça, Eric Holder, para discutir a situação em Ferguson, informou seu gabinete.

A família Brown pediu manifestações pacíficas e o fim da violência, e as forças policiais da localidade foram severamente criticadas pelo uso excessivo da força contra os manifestantes.

(Reportagem adicional de Carey Gillam, em Kansas City; e de Eric Beech, em Washington)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo