Enfermeiro é acusado de estuprar mais de 100 sedados

O homem trabalhava sob contrato para vários médicos e dentistas, disseram autoridades

Efe

26 Novembro 2009 | 04h12

Um enfermeiro anestesista foi acusado em Atlanta (Geórgia) de estuprar mais de 100 pacientes e a Polícia informou que conta com vídeos que mostram os abusos, na quarta-feira, 25.

O homem foi identificado como Paul Patrick Serdula, de 47 anos, que trabalhava em consultórios médicos e dentais da zona metropolitana de Atlanta.

Segundo fontes judiciais, Serdula foi detido na segunda-feira, 23, sob acusações de sodomia e abuso infantil.

Um porta-voz da Polícia do condado de Cobb disse que a detenção aconteceu depois da descoberta de vídeos que mostravam Serdula abusando dos pacientes sob efeito de anestesia.

Acrescentou que a investigação revelou que essas agressões sexuais foram cometidas durante vários anos e que as vítimas incluem pacientes de outros estados que receberam tratamento por parte de Serdula.

"A magnitude disto é quase surreal", disse a meios de comunicação locais o sargento Dana Pierce da Polícia de Cobb ao referir-se à possibilidade de que podem se contabilizar mais de 100 vítimas do enfermeiro.

Segundo as autoridades, o homem trabalhava sob contrato para vários médicos e dentistas, o que lhe dava acesso a consultórios em toda a cidade. Pierce manifestou que falou com muitos pacientes que acreditam ter sido vítimas do estuprador.

O problema na investigação do caso, segundo fontes judiciais, é que a maioria das vítimas não poderia afirmar com certeza o ataque sexual de Serdula por estarem anestesiadas.

Mais conteúdo sobre:
estupro enfermeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.