1. Usuário
Assine o Estadão
assine

ENTREVISTA-Escassez de vagões para transporte da safra dos EUA torna armazenagem crítica

TOM POLANSEK - REUTERS

18 Agosto 2014 | 14h 41

A rede de transporte dos Estados Unidos é inadequada para lidar com grandes safras como a esperada para esta temporada, criando um papel crítico para as operações de estocagem, disse o presidente da importante cooperativa agrícola CHS.

Os produtores, que já enfrentaram dificuldades com a restrita oferta de vagões para entrega de fertilizantes na primavera, precisão colocar parte de suas grandes safras de milho e soja em armazéns devido à contínua competição com o petróleo por espaço nas ferrovias das planícies ao norte dos EUA, disse o presidente-executivo da CHS, Carl Casale, em entrevista.

A habilidade para transportar grãos será fundamental para as companhias do setor, como a CHS, de Minnesota, Archer Daniels Midland e Bunge, porque elas assinaram acordos para entregar as safras em pontos específicos e em determinadas épocas. Isso deve ser ainda mais desafiador neste ano por causa das safras gigantes que aumentarão a demanda por vagões e barcaças.

"Não há atualmente capacidade para transportar esta safra para o mercado à medida que ela chega", disse Casale.

O comentário vai alimentar preocupações de que os produtores poderão enfrentar dificuldades para entregar as safras a seus clientes, depois que o Departamento de Agricultura norte-americano (USDA), em relatório mensal na terça-feira, projetou a colheita de milho em recorde de 14,032 bilhões de bushels e uma safra de soja também em recorde de 3,82 bilhões de bushels.

Muitos analistas esperam que o governo aumente as estimativas de produção nos próximos meses devido ao clima favorável.

"No curto prazo, a estocagem será o apoio que, basicamente, permitirá a entrada desta safra", disse Casale. "O gerenciamento da cadeia física de oferta é onde o valor será criado em grãos, porque isso é o que a indústria realmente, mas realmente precisa agora."

O tráfego comercial no rio Mississippi, a principal rota fluvial para transportar grãos das fazendas do Meio-Oeste para os pontos de exportação no Golfo do México, já enfrentou problemas neste verão com o fechamento de um trecho em Minnesota para dragagem emergencial após inundações.

Em resposta aos desafios nas ferrovias e no rio, tradings de grãos estão aumentando a dependência por caminhões para escoar grãos, disse Casale.

O raio em que os caminhões são rentáveis para transportar grãos aumentou porque "tudo está ou indisponível ou ficou muito mais caro", disse.

Além dos problemas de transporte, a queda nos preços de grãos está levando os produtores a fazerem planos para estocar a safra. Os preços do milho caíram 13 por cento este ano e 24 por cento ante um ano atrás, para cerca de 3,65 dólares por bushel na bolsa de Chicago (CBOT).

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo