EUA removem sanções contra empresas russas acusadas de cooperar com Irã

Segundo Departamento de Estado, Rússia mudou sua posição em relação a programa nuclear de Teerã

Associated Press,

21 Maio 2010 | 20h58

WASHINGTON- O governo Obama removeu nesta sexta-feira, 21, sanções contra três empresas russas que haviam sido previamente acusadas de dar suporte ao esforço do Irã para desenvolver armas nucleares. Penalidades contra uma quarta entidade russa antes acusada de vender armas ilegalmente à Síria também foram suspensas.

 

Veja também:

linkAntes de acordo, Obama disse a Lula que pacto com Irã criaria 'confiança'

linkIrã deve cumprir compromisso, diz Celso Amorim

 

As decisões, publicadas no Diário Federal, mas ainda não anunciadas pelo Departamento de Estado, sugerem que os Estados Unidos estejam buscando o apoio da Rússia para uma quarta rodada de sanções ao Irã no Conselho de Segurança da ONU.

 

O porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley, negou que a decisão de remover as sanções tenha a intenção de conseguir o apoio russo para novas sanções ao Irã. Ele afirmou, no entanto, que a medida reflete o fato de que "a Rússia adaptou sua abordagem ao Irã" e mostrou restrições em certos negócios bélicos com Teerã.

"Então nós sentimos que a Rússia divide nossas preocupações sobre o Irã e está apta a dar apoio às restrições bélicas que estão na nova resolução (da ONU); nos sentimos confiantes de que poderíamos remover estas penalidades enquanto continuamos a proteger nossos interesses de não proliferação", disse Crowley.

 

Quando a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, visitou Moscou em março, o primeiro-ministro Vladimir Putin se queixou publicamente a ela sobre uma série de sanções americanas contra companhias russas. Em particular, Putin e outros oficiais russos discutiram com Hillary sobre a remoção de entidades russas acusadas de apoiarem o programa nuclear iraniano.

 

Duas das empresas russas - a Universidade de Química e Tecnologia Dmitri Mendeleyev e o Instituto de Aviação de Moscou - foram sancionadas em 1999 de acordo com uma autorização de 1994 para essa ação. Segundo a ordem, as duas organizações contribuíram para a produção ou desenvolvimento de armas de destruição em massa ou mísseis capazes de lançarem tais armas.

 

Quando o governo do ex-presidente Bill Clinton anunciou as sanções na época, o governo russo negou tal apoio ao Irã.

 

Em 2008, os Estados Unidos impôs sanções contra a Rosoboronexport, comerciante estatal de armas, ao afirmar que a entidade dava assistência ao programa nuclear iraniano. Estas sanções também foram removidas nesta sexta.

 

Neste ano, o presidente desta empresa, Anatoly Isaikin, disse que a Rússia ainda considera o Irã um importante cliente para suas armas.

 

Saiba mais:

especialEspecial: Os últimos eventos da crise nuclear

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções que já foram aplicadas ao Irã

lista Entenda a polêmica envolvendo o Irã

lista Leia a íntegra do acordo de Irã, Brasil e Turquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.