Guarda Costeira apura vazamento de óleo na Baía de San Francisco

A Guarda Costeira dos Estados Unidos informou nesta sexta-feira que está investigando o derramamento de óleo combustível de um ramo de abastecimento entre o petroleiro Dubai Star e um barco ao seu lado na Baía de San Francisco.

REUTERS

30 Outubro 2009 | 17h42

A tenente da Guarda Costeira Simone Mausz disse à Reuters que a tripulação do petroleiro identificou um vazamento em um ramo e informou o fato às autoridades, levando a Guarda Costeira a enviar três barcos, um helicóptero e uma equipe de apoio para as duas embarcações, que têm transferido combustível em um ancoradouro ao sul da ponte de ligação entre San Francisco e Oakland.

Mausz disse que ainda não está claro se o ramo de abastecimento pertencia ao petroleiro ou ao barco.

Enquanto a mídia local informava que a mancha de óleo derramado se estendia por uma área estimada em 1,6 quilômetro, Mausz disse que os investigadores ainda precisam avaliar quanto combustível vazou. Mas ela afirmou que o caso não parece ser da escala do derramamento do Cosco Busan, ocorrido na mesma baía em novembro de 2007.

O vazamento desta sexta-feira ocorreu oito dias antes de se completarem dois anos do acidente com o Cosco Busan, que colidiu contra a ponte San Francisco-Oakland durante densa neblina.

O choque abriu um rombo no casco do Cosco Busan, que derramou 220 mil litros de combustível na Baía de San Francisco, poluindo 42 quilômetros de litoral da Califórnia.

Um porta-voz da Heidmar Inc, que opera a Dubai Star, disse que a empresa, com sede em Norwalk, Connecticut, estava em processo de coleta de informações sobre o vazamento para emitir um comunicado.

(Reportagem de Christie e Braden Reddall em San Francisco)

Mais conteúdo sobre:
EUA SANFRANCISCO VAZAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.